Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Cidade

Para Rita Tourinho, regulamento de táxi vai ter que ser rediscutido

Diversas irregularidades envolvendo os taxistas de Salvador continuam sendo acompanhadas pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA). Em entrevista ao apresentador José Eduardo, na Rádio Metrópole, nesta sexta-feira (9), a promotora Rita Tourinho disse que o prazo para recadastramento dos táxis na capital baiana, iniciado em junho deste ano, termina em dezembro. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Camila Tíssia e Gabriel Nascimento no dia 09 de Setembro de 2016 ⋅ 09:49

Diversas irregularidades envolvendo os taxistas de Salvador continuam sendo acompanhadas pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA). Em entrevista ao apresentador José Eduardo, na Rádio Metrópole, nesta sexta-feira (9), a promotora Rita Tourinho disse que o prazo para recadastramento dos táxis na capital baiana, iniciado em junho deste ano, termina em dezembro. 

"Nossa pretensão é em novembro fazer uma audiência no MP já com o quadro quase final de recadastramento. Acho que o regulamento de táxi vai ter que ser rediscutido. É importante, diante da atual situação do nosso país. Entendemos que é necessário que tenhamos um quadro real do que acontece no serviço de táxi, por conta de uma série de questões proibidas que acontecem", pontuou.

A promotora ainda voltou a afirma que, hoje, mais de mil servidores públicos estão sem alvarás de táxis. Desde de 1992 a prática era proibida. "Havia a própria conveniência da administração pública. Não podemos deixar que situações irregulares se estabeleçam com o tempo. Vamos ter que um olhar diferenciado. Existem pessoas com mais de um alvará também, são questões que temos que levantar. 

Segundo Rita Tourinho, na semana que vem, a situação será tratada no Ministério Público do Trabalho. "Acho que num ambiente democrático, com a participação dos taxistas que são os interessados". 

Notícias relacionadas