Cidade

Com medo dos ouvintes, Monobloco foge de entrevista na Rádio Metrópole

A falta de profissionalismo da Monobloco veio a público em abril, quando, de forma espontânea, diversos ouvintes relataram problemas nas unidades de Salvador e Lauro de Freitas

[Com medo dos ouvintes, Monobloco foge de entrevista na Rádio Metrópole]
Foto : Reprodução/Google Street View

Por Alexandre Galvão no dia 06 de Maio de 2019 ⋅ 13:50

A rádio onde todo mundo fala e todo mundo ouve não censuraria jamais os seus ouvintes. Isso, porém, era o que pretendia a Monobloco, que faltou, na última sexta-feira (3), uma entrevista agendada no Jornal da Cidade IIª Edição, comandado por Chico Kertész. 

A empresa viria aos microfones da emissora para dar explicações aos ouvintes sobre os seus serviços e, claro, seria questionada. Horas antes da entrevista, no entanto, fizeram um pedido bastante descabido: bloquear as linhas de contato com os ouvintes. Aqui, impossível! 

A Monobloco Pneus alegou, em contato com a produção do Grupo Metrópole, que tem tentado um direito de resposta desde o mês passado. O espaço já fora dado, inclusive, em matéria veiculada na rádio e no Jornal da Metrópole, que sai toda semana. Além disso, os canais de comunicação sempre estiveram disponíveis para a empresa. 

A falta de profissionalismo da Monobloco veio a público em abril, quando, de forma espontânea, diversos ouvintes relataram problemas nas unidades de Salvador e Lauro de Freitas. 

"Você vai a Monobloco para alinhar e balancear seu carro e toda vez que se vai, eles dizem que suas jantes estão empenadas. Daí cobra por esse serviço. Engraçado que só la que diz que esta empenado. Nunca mais coloquei meus pés la", contou o ouvinte André Pereira, um dos primeiros a reclamar.

Até mesmo uma família inteira quase foi enganada pelos diagnósticos automotivos do local. Advogado e ouvinte da Metrópole, Caio Lemos quase teve toda família ludibriada pela Monobloco. “Eu levei meu carro e condenaram. Meu irmão passou pelo mesmo”, conta. A mais recente vítima foi matriarca da família. “A mesma coisa com minha mãe. Ela levou o carro e o cara de um orçamento de qual R$ 2 mil reais. O carro de minha mãe é novo. Não tinha nada do que eles falaram. Eles tentaram enganar minha família”, relata. O advogado lamenta a postura da empresa, que, segundo ele, já foi referência em Salvador.

Por fim, em operação, o Procon de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), autuou a empresa por prática abusiva de venda casada, propaganda enganosa, falta de informações ao consumidor e vantagem manifestamente excessiva. O estabelecimento terá o prazo de dez dias para recorrer e, em sendo julgadas procedentes as irregularidades, será multado.

Notícias relacionadas