Editorial

Mudança de tom em discurso mostra que Bolsonaro 'sentiu o baque', diz MK; ouça

Em comentário, Mário Kertész também elogiou a iniciativa do movimento Rádios Solidárias, do qual a Rádio Metrópole faz parte

[Mudança de tom em discurso mostra que Bolsonaro 'sentiu o baque', diz MK; ouça]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Metro1 no dia 01 de Abril de 2020 ⋅ 08:32

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (1°), Mário Kertész opinou sobre o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, realizado em cadeia nacional de rádio e TV, na noite de ontem (31). Para MK, o chefe do Executivo nacional parece ter 'sentido o baque', mas ainda cometeu equívocos.

"Ele mudou. Ele sentiu. Eu acho, é minha opinião que eu tô dando, ninguém é obrigado a sentir nem concordar. Ele mudou, o que não quer dizer que tenha mudado muito, nem mudado pra melhor, mas sentiu o baque. Ele sentiu que estava ficando completamente isolado e começou a querer seguir de novo o líder maior dele, Donald Trump. (...) O presidente de manhã avacalhou com a imprensa de novo, fez uma interpretação equivocada, maldosa, editada, do que falou o diretor-geral da OMS. De noite, ele já mudou. Ele falou como se os ambulantes, camelôs, diaristas, não pudessem parar de trabalhar. Não só podem como devem. Primeiro porque não tem quem compre, não tem quem pague os serviços, por isso não adianta vir com esse negócio. (...) Nem durante a campanha, nem durante a vida parlamentar, ele foi de ficar falando 'meu povo'. Agora fala bastante. Soa até estranho, soa falso", analisou.

MK também criticou a demora do Palácio do Planalto para tirar do papel o auxílio de R$ 600 aprovado pelo Congresso. "Eles estão atrasando o pagamento dessas pessoas que já estão passando fome. Quero lembrar a vocês que desde o primeiro dia que essa coisa se instalou como muitíssimo grave, eu chamo a atenção para isso: nós temos que pensar nas pessoas que não têm como viver, e o próprio isolamento social deles é dificílimo. (...) Votam o auxílio, ele é aprovado, aí o ministro da Economia diz que o auxílio depende de uma PEC. Aí pronto. Nem cumprimenta, nem tira o chapéu. Nem trepa, nem sai de cima. Inacreditável isso", pontuou.

MK encerrou o comentário elogiando a iniciativa do Movimento Rádios Solidárias, do qual a Rádio Metrópole faz parte, ao lado da Bahia FM, Piatã FM, Itapoan FM, Rádio Sociedade, Rádio Globo Salvador, BandNews FM, Jovem Pan e GFM. "Vamos ter vários movimentos, horários específicos em que transmitiremos a mesma música de esperança, faremos ações conjuntas. Fiquei muito feliz com esse movimento que surgiu, foi uma ideia muito boa. Imediatamente a Metrópole entrou nisso. Eu, pessoalmente, gravei uma mensagem de esperança, de apoio, de solidariedade, estamos aqui pra isso. E eu agradeço, como agradeço aos profissionais de saúde, aos garis, aos motoristas, caminhoneiros, aos policiais civis e militares. Trabalhadores de farmácia, supermercado, agradeço a vocês de coração", concluiu.

Confira o comentário completo:

Notícias relacionadas

[MK endossa comentário de ACM Neto sobre bancos; ouça]
Editorial

MK endossa comentário de ACM Neto sobre bancos; ouça

Por Metro1 no dia 22 de Maio de 2020 ⋅ 08:48 em Editorial

Em comentário na Rádio Metrópole, Mário Kertész ainda se posicionou contra o movimento de dentistas que querem reabrir consultórios: "Não conte comigo pra bandalheira"