Editorial

MK elogia 'fase mais calma' de Bolsonaro: 'Não precisamos de mais crise'; ouça

Mário Kertész também ironizou as acusações de corrupção contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, que se elegeu em nome de uma "nova política"

[MK elogia 'fase mais calma' de Bolsonaro: 'Não precisamos de mais crise'; ouça]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Metro1 no dia 16 de Julho de 2020 ⋅ 08:22

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (16), Mário Kertész se disse esperançoso com a aparente mudança de postura do presidente Jair Bolsonaro, mas voltou a criticar o descaso em relação ao Ministério da Saúde.

"O presidente Bolsonaro declarou ontem que fez teste e continua com o vírus Covid-19, e que não vai recomendar nada a ninguém. É bom, né? Porque ele não entende disso, e esse negócio de recomendar... Ele não apareceu mais tomando aquela cloroquinazinha dele não, né? Acho isso muito inteligente, sábio, às vezes fico com esperança, pode ser pensamento desejoso, de que ele realmente esteja entrando em uma fase agora melhor, mais calma, sem tanto atrito. Aquelas declarações do ministro do STF Gilmar Mendes, que disse que o Exército estaria se comprometendo com o genocídio por conta do ministro substituto que está há 60 dias no Ministério da Saúde. Imagine você, há 60 dias o Brasil não tem um ministro da saúde definitivo. E levou pra lá 24 militares. Nada contra os militares nem contra o general [Eduardo] Pazuello, mas peraí, rapaz! Na hora que o couro está comendo no mundo todo, você abrir uma guarda dessa, eu acho um pouco complicado e até irresponsável. Mas o Exército, a Marinha, a Aeronáutica, deram uma nota, se sentido ofendidos. Por outro lado, o presidente falou com Pazuello, ministro interino, que ligou para Gilmar, alguns veículos disseram que foi Gilmar que ligou pra ele... O que importa é que acalmou, o ministro da Defesa também botou água na fervura, o que nós não precisamos agora é de mais crise. Já basta a crise sanitária e econômica. Brasileiros e brasileiras morrendo como moscas", afirmou.

MK também falou sobre o processo de impeachment contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, por acusações de corrupção. Ele ironizou o fato de que o ex-juiz foi eleito com base em um discurso contrário à "velha política", assim como o presidente Jair Bolsonaro. "Ex-juiz federal, viu? Foi eleito em nome de quê? Do novo! Eleito em nome de quê? Afastar os políticos, porque são todos corruptos! Acharam uma montanha de dinheiro com o secretário de Saúde dele [Edmar Santos], e o próprio palácio dele recebeu um baculejo da Polícia Federal", disse.

Ouça o comentário completo:

Notícias relacionadas

[MK comenta denúncias contra Marinho e Paes; ouça]
Editorial

MK comenta denúncias contra Marinho e Paes; ouça

Por Metro1 no dia 09 de Setembro de 2020 ⋅ 08:32 em Editorial

Em comentário na Rádio Metrópole, Mário Kertész avaliou que o uso de investigações como retaliação política "mostra os tempos que nós estamos vivendo"