Editorial

'Bolsonaro deve estar felicíssimo', diz MK sobre quarentena eleitoral que pode afetar Moro

No comentário, Mário Kertész também celebrou o compartilhamento dos dados da Lava Jato com a PGR e questionou se é preciso lançar uma cédula de R$ 200

['Bolsonaro deve estar felicíssimo', diz MK sobre quarentena eleitoral que pode afetar Moro]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Metro1 no dia 30 de Julho de 2020 ⋅ 08:44

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (30), Mário Kertész falou sobre os recentes acontecimentos do noticiário nacional, a exemplo da proposta de quarentena de oito anos para ex-juízes que queiram disputar eleições, defendida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A medida, caso implementada, poderá afetar diretamente o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro, mas a questão ainda é discutida por juristas.

"Uma quarentena de oito anos. Pega quem, assim? Algum ex-juiz que queira se candidatar a presidente... Será que tem alguém? Aquele rapaz, como é o nome dele? Ah! Sergio Moro... Bala no coração, assim, direto. Não é legal essa? Eu achei. Rapaz, estão armando pra cima de Sergio Moro. Bolsonaro deve estar felicíssimo. Agora, eu gostaria de ouvir a explicação deles dois [Maia e Toffoli]", disse.

Outra notícia comentada por MK foi o acesso obtido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) às bases de dados da Operação Lava Jato em Curitiba. A força-tarefa do Ministério Público Federal dispõe de informações de 38 mil pessoas no âmbito das investigações. Os dados não eram compartilhados com a PGR até uma decisão do STF obrigar a entrega, no início de julho.

"Espero que [o procurador-geral da República] Augusto Aras jogue duro e continue nessa linha, e vá descobrir o que aconteceu ali. O porquê, por que essas pessoas foram investigadas, quem são essas pessoas? Não é pra domínio público, a não ser que seja uma cosia que a população tenha que saber. Mas esconder do órgão maior, que é a Procuradoria-Geral da República, é dizer 'não, nós desconfiamos de todos vocês. Vocês aí têm muito bandido infiltrado, de mocinho só nós'. Quando isso cair, muita gente vai ver quanta barbaridade foi feita. (...) Augusto Aras falou isso, que o Brasil não precisa de heróis. Não precisa mesmo não, nenhum país. Mas transformaram Sergio Moro, [o procurador Deltan] Dallagnol e a turma de Curitiba em heróis", afirmou.

MK ainda falou sobre o lançamento de uma nova cédula monetária no valor de R$ 200, previsto para agosto. "Agora eu pergunto: pra quê? Porque quando se aumenta a cédula, o valor, é porque se está vivendo uma inflação. Nós não estamos vivendo uma inflação. Dizem que ajuda muito a corrupção, porque aí fica mais fácil... Lembra daquele assessor de Sarney que saiu correndo com uma mala com R$ 500 mil e foi filmado pela Polícia Federal? Que cena mais bizarra aquela. Agora, esses 500 mil vão diminuir pela metade o tamanho, com a nova cédula. Ninguém explicou ainda o porquê", comentou.

Ouça o comentário completo:

Notícias relacionadas

[MK comenta denúncias contra Marinho e Paes; ouça]
Editorial

MK comenta denúncias contra Marinho e Paes; ouça

Por Metro1 no dia 09 de Setembro de 2020 ⋅ 08:32 em Editorial

Em comentário na Rádio Metrópole, Mário Kertész avaliou que o uso de investigações como retaliação política "mostra os tempos que nós estamos vivendo"