Editorial

MK cobra 'empatia' de Bolsonaro com famílias de vítimas da Covid-19; ouça

Mário Kertész também falou sobre as denúncias contra o líder espiritual Jair Tércio Cunha Costa, que teria abusado de 14 mulheres

[MK cobra 'empatia' de Bolsonaro com famílias de vítimas da Covid-19; ouça]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Metro1 no dia 03 de Agosto de 2020 ⋅ 08:36

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (3), Mário Kertész voltou a lamentar a escalada da pandemia de coronavírus no Brasil e repudiou a postura do presidente Jair Bolsonaro diante da crise sanitária.

"Cinco meses após o início da [pandemia de] Covid-19, 98% dos municípios brasileiros já estão contaminados. O Brasil dá o pior exemplo, junto com outros países da América Latina. Mas aí o presidente sai pra passear de moto, vai para uma padaria... Pois é, o povo tá morrendo, tanto faz, o passeio dele... Vai para uma padaria, sem máscara, dá a mãozinha para todo mundo e ainda diz que isso tudo é culpa dos governadores. É muita cara de pau. Demais. Nós já temos 94 mil mortos pela Covid. Noventa e quatro mil brasileiras e brasileiros morreram. E pronto, 'e daí', a gente continua achando 'é isso mesmo, a gente nasceu, tem que morrer, todo mundo vai morrer, na Itália morreu muita gente porque a população era muito velha, aqui não'. Aí, nós já passamos todo mundo. Só estamos atrás da matriz, dos Estados Unidos. (...) Um cientista disse que a única forma de diminuir as mortes por Covid no Brasil é se fazer testes em massa. Mas em massa mesmo. São 200 milhões de brasileiros. E até agora o governo federal... O presidente sai pra passear de moto, rapaz! (...) Cadê a empatia com os sentimentos da população? Já imaginou, mais de 90 mil famílias enlutadas, que perderam filhos, pais, avós... Vou te dizer. Era pro presidente estar de luto, mas não é luto vestido de preto. Noel Rosa ensinava à gente: 'Luto preto é vaidade neste funeral de amor. O meu luto é saudade, e saudade não tem cor'. Mas pelo menos, que ele tivesse saudade, pena, empatia com aqueles que perderam seus entes queridos à toa. Mas às vezes a gente não consegue tudo que quer, não é?", pontuou.

MK também comentou as denúncias de abusos sexual e psicológico contra o líder espiritual Jair Tércio Cunha Costa, ex-grão-mestre de uma loja maçônica na Bahia e desenvolvedor de uma doutrina pedagógica que é estudada em retiros espirituais promovidos por ele toda semana. Catorze mulheres denunciaram o líder ao Ministério Público do estado. Na manhã desta segunda, a Rádio Metrópole ouviu uma das vítimas, a pedagoga e ativista Tatiana Badaró.

"Fiquei alarmado com a denúncia que saiu primeiro na CNN e depois no Fantástico, de abuso sexual, feita aqui na Bahia contra um cidadão que criou uma fundação e era maçom, mas está suspenso da maçonaria. (...) É claro que tudo ainda são suposições, à medida em que o cidadão não foi ainda julgado, nem condenado. E assim como nós vamos abrir o espaço para as pessoas que foram supostamente abusadas por ele, ele também terá todo o espaço se quiser se explicar. Normalmente essas pessoas não aparecem, mandam o advogado", disse MK.

Ouça o comentário completo:

Notícias relacionadas

[MK comenta denúncias contra Marinho e Paes; ouça]
Editorial

MK comenta denúncias contra Marinho e Paes; ouça

Por Metro1 no dia 09 de Setembro de 2020 ⋅ 08:32 em Editorial

Em comentário na Rádio Metrópole, Mário Kertész avaliou que o uso de investigações como retaliação política "mostra os tempos que nós estamos vivendo"