Editorial

MK: 'Lamentável a falta de amor a Salvador por parte dos senadores da Bahia'

Âncora da Metrópole critica apoio de senadores a Isidório e reclamou de políticos que fazem "política pela política"

[MK: 'Lamentável a falta de amor a Salvador por parte dos senadores da Bahia']
Foto : Matheus Simoni/Metropress

Por Metro1 no dia 16 de Novembro de 2020 ⋅ 08:38

Mário Kertész comentou hoje (16) o resultado das eleições municipais na Bahia e analisou a vitória de Bruno Reis (DEM) em Salvador. Em comentário durante o Bom Dia com Mário Kertész na Metrópole, ele parabenizou a candidata que chegou ao segundo lugar, Major Denice (PT). "Fez uma belíssima campanha. Surgiu uma nova política e ontem ficou sozinha na coletiva, não apareceu ninguém do PT, nem Rui, nem Wagner, nem Lídice", disse MK

Ainda sobre as eleições municipais, Mário Kertész relembrou a votação expressiva de Eliana Kertész para a Câmara Municipal em 1982. "O vereador que teve maior votação ontem teve 17 mil votos. Ao longo dos anos, nas votações, eu me lembro de Gilberto Gil, que foi candidato em 1988. Nós todos esperávamos que ele teria uma votação extraordinária e não teve. Depois foi a vez de Iolanda Pires, primeira dama do estado, que também no teve. E aí eu tive que voltar no tempo e ver que, há 38 anos passados, em 1982, Eliana Kertész teve 94 mil votos, 17% do eleitorado desta cidade, que era de 543 mil eleitores. Agora o eleitorado é três vezes maior. Mais de 1,8 milhão eleitores e o máximo que um vereador consegue é 17 mil votos. É verdade que a eleição de Eliana foi muito excepcional, que seguiu a minha demissão por ACM em novembro de 1981", disse o âncora da Metrópole. 

"Eu poderia ser candidato a deputado federal, mas teria que ser pelo partido de ACM e eu não queria. Então Eliana aceitou ser candidata. Ela nunca tinha sido política e se submetido a nenhuma eleição. Aliás, eu também não. A campanha dela foi muito interessante, feita por Duda Mendonça, grande figura. Era Eliana na frente e eu meio desfocado atrás, dizendo 'Mário não pode ser candidato, mas eu posso'. O povo de Salvador compareceu maciçamente às urnas e deu a ela mais de 94 mil votos, nunca ninguém teve tantos % de votos como ela. Era um caso de amor que nós, ela e eu, tínhamos com o povo de Salvador, que permitiu inclusive que eu fosse eleito prefeito de Salvador com mais de 60% dos votos", acrescentou.

Mário Kertész comentou ainda como o nome de ACM Neto e Rui Costa pode ser testado na Bahia como lideranças políticas. "ACM Neto é uma liderança nesse sentido, como prefeito. O governador Rui Costa também. É por isso que eu digo sempre que eles dois representam o novo, novas lideranças na Bahia. Nós não podemos perder nenhum deles", declarou o apresentador. 

Em desabafo, MK comentou o apoio governista à chapa do Pastor Sargento Isidório (Avante). Para ele, os grandes caciques políticos do estado fizeram "política pela política". "Nesta eleição, fiquei muito decepcionado com muitas coisas. Primeiro com o apoio de líderes políticos à candidatura do Pastor Sargento Isidório. Não tenho nada pessoalmente com ele, nada, e nem quero ter. Mas admitir que o Pastor Sargento Isidório pudesse ser prefeito de Salvador é um desamor a esta cidade, é querer se agarrar à política de qualquer jeito para ter resultados. Me deu muita tristeza de ver queridos amigos como Otto Alencar, grande senador e como Jaques Wagner apoiando e participando disso", disse. 

"Confesso a vocês que engoli seco esse tempo todo esperando esse dia para desabafar. Considero um desserviço deles, uma falta de respeito com a cidade de Salvador. Fazer política por fazer política a qualquer custo. Não falo nem de Ângelo Coronel, que estava para se aposentar como deputado estadual. Sabe quem foi que articulou primeiro para presidente da Assembleia? Bruno Reis, hoje prefeito eleito. Ele viu uma possibilidade de derrotar Marcelo Nilo, que insistia em continuar mais uma vez presidente da Assembleia para participar da chapa majoritária. São estes tipos de político que fazem pela política. Não querem saber de respeitar o povo, respeitar a cidade, o estado e nada. Querem se dar bem", afirmou Mário Kertész.

Ele também comentou a fragmentação de candidaturas à prefeitura de Salvador. "A ideia errada desde o governo de Wagner do governo ter três candidatos mais uma vez ajudou a enterrar da candidatura Major Denice, ou qualquer outro que fosse. Se agarram com Denice, Olívia, Isidório e Bacelar. Quatro varridos. Bruno Reis ganhou em todas as urnas desta cidade. Todas. O pessoal do governo achou que Neto não ia ter um bom desempenho na periferia. Quiseram vender uma imagem equivocada de que ele só trabalhou no circuito Barra-Ondina. Se deu mal. A prova está aí. Se Bruno Reis ganhou em todas as urnas, quem pode dizer o contrário?", citou.

Confira o comentário na íntegra:

 

Notícias relacionadas