Esportes

Sem repasse, árbitros de futebol podem entrar em greve no Brasileirão

Motivo foi o veto da presidente Dilma Rousseff em um dos artigos da MP 671 que repassaria 0,5% dos direitos de arena sobre as transmissões televisivas para os árbitros de futebol

[Imagem not found]
Foto : Reprodução / Click RBS

Por Pedro Sento Sé no dia 13 de Agosto de 2015 ⋅ 08:02

Insatisfeitos com o veto da presidente Dilma Rousseff em um dos artigos da MP 671 que repassaria 0,5% dos direitos de arena sobre as transmissões televisivas para os árbitros de futebol, o sindicato da categoria convocou uma assembleia extraordinária para debater o assunto. A reunião vai acontecer em cada estado às 19 horas. 

A medida provisória foi sancionada e virou a Lei 13.155, que vai possibilitar o re-financiamento das dívidas dos clubes com a União. 

Por conta desse veto a Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (ANAF) afirma que com o veto existe a possibilidade de uma greve por parte dos árbitros nas próximas rodadas do Campeonato Brasileiro. Na rodada do meio de semana da Série A, antes de cada jogo, o quarteto de arbitragem levanto uma placa, com os números 0 e 5, em alusão meio porcento pretendido pela categoria.

Atualmente cada árbitro central, vinculado a FIFA, recebe R$ 4 mil brutos por partida. Aspirante ao quadro internacional, R$3,2 mil e cada árbitro do quadro nacional, R$ 3 mil brutos. Vale ressaltar que árbitro de futebol não é considerada uma atividade profissional no Brasil.

Notícias relacionadas

[Carol Solberg recorre de advertência ao Pleno do STJD]
Esportes

Carol Solberg recorre de advertência ao Pleno do STJD

Por Luciana Freire no dia 19 de Outubro de 2020 ⋅ 22:00 em Esportes

Na última terça (13), em julgamento em primeira instância, ela foi condenada, por três votos a dois, por descumprir regulamento, ao falar "Fora Bolsonaro" após uma partid...

[Santos e Robinho anunciam suspensão de contrato ]
Esportes

Santos e Robinho anunciam suspensão de contrato

Por Luciana Freire no dia 16 de Outubro de 2020 ⋅ 19:22 em Esportes

Decisão se dá depois da pressão de conselheiros e patrocinadores após a divulgação de diálogos em que o jogador Robinho relata estupro que teria sido cometido por ele