Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Quarta-feira, 22 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Internacional

/

Autoridade do Hamas diz que grupo "abandonará armas" se Israel concordar com criação de Estado Palestino

Internacional

Autoridade do Hamas diz que grupo "abandonará armas" se Israel concordar com criação de Estado Palestino

Khalil Al-Hayya disse ainda que, nesse cenário, o Estado da Palestina seria estabelecido baseado nas "fronteiras pré-1967", ou antes da Guerra dos Seis Dias

Autoridade do Hamas diz que grupo "abandonará armas" se Israel concordar com criação de Estado Palestino

Foto: Reprodução/AP

Por: Metro1 no dia 25 de abril de 2024 às 09:02

Autoridade política ligada ao Hamas, membro do comitê central de decisão do grupo, Khalil al-Hayya, disse que estão dispostos a se desarmar e impor uma trégua de 5 anos ou mais, se Israel concordar com a criação de um Estado Palestino independente.

A declaração foi feita em entrevista à Associated Press publicada nesta quinta-feira (25). O posicionamento de Khalil acontece em meio a um impasse de meses nas negociações de cessar-fogo sugeridas pelo Hamas.

Khalil Al-Hayya disse ainda que, nesse cenário, o Estado da Palestina seria estabelecido baseado nas "fronteiras pré-1967", ou antes da Guerra dos Seis Dias e afirmou que o Hamas deseja aderir à Organização para a Libertação da Palestina - atualmente liderada pelos rivais do Fatah - e criar um governo unificado para a Faixa de Gaza e Cisjordânia.

"Todas as experiências das pessoas que lutaram contra ocupantes, quando se tornaram independentes e obtiveram seus direitos e seu Estado, o que essas forças fizeram? Elas se tornaram partidos políticos, e suas forças de defesa se tornaram o exército nacional", disse ele sobre o que aconteceria caso a proposta da criação do Estado Palestino fosse aceita.

A guerra entre Israel e o Hamas se intensificou no dia 7 de outubro de 2023. Estima-se que o conflito já provocou a morte de mais de 34 mil palestinos e 1.435 israelenses. Em fevereiro deste ano, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou qualquer reconhecimento internacional de um Estado Palestino. 

No momento, Israel prepara uma ofensiva em Rafah, no sul de Gaza, onde mais de 1 milhão de palestinos estão refugiados.