Segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Justiça

STF derruba decisão do TST que corrigia salários de empregados da Petrobras e custaria R$ 46 bi à estatal

Estatal recorreu e o ministro Alexandre de Morares derrubou decisão do TST que, em 2018, determinou indenização a 51 mil funcionários que teria custo bilionário

STF derruba decisão do TST que corrigia salários de empregados da Petrobras e custaria R$ 46 bi à estatal

Foto: André Motta de Souza / Agência Petrobras

Por: Metro1 no dia 28 de julho de 2021 às 20:30

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), aceitou nesta quarta-feira (28) o recurso da Petrobras e derrubou decisão de 2018 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que condenou a estatal a corrigir os salários de 51 mil servidores ativos e inativos.

Segundo O Globo, quando saiu derrotada do TST, a Petrobras estimava que o pagamento retroativo teria um impacto de R$ 17 bilhões. Agora, a estatal estima que uma derrota nesse caso significaria uma perda de R$ 46 bilhões.

Esse é o valor decorrente da necessidade de atualizar os salários de maneira retroativa. Há ainda um pagamento referente aos salários futuros, que não estão na conta.

Cabe recurso dos sindicatos da Petrobras ao plenário do STF. O relator decide se o assunto será julgado pelo plenário virtual ou pelo plenário físico.

O caso teve origem em 2007, quando a Petrobras criou a complementação da Remuneração Mínima por Nível e Regime (RMNR).

Essa verba era uma espécie de piso. Pelos termos desse acordo, adicionais — como trabalho noturno, regime de sobreaviso ou de periculosidade — fazem parte do cálculo da RNMR, mas os funcionários foram à Justiça para que os adicionais fossem pagos em separado.

STF derruba decisão do TST que corrigia salários de empregados da Petrobras e custaria R$ 46 bi à estatal - Metro 1