Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sábado, 20 de abril de 2024

Home

/

Notícias

/

Metropolítica

/

Impasse com consórcio chinês ameaça recolocar Ponte Salvador-Itaparica em estágio de hibernação

Metropolítica

Por Jairo Costa Júnior

Notícias exclusivas sobre política e os bastidores do poder

Impasse com consórcio chinês ameaça recolocar Ponte Salvador-Itaparica em estágio de hibernação

Para integrantes do alto escalão de Jerônimo, obra só será viabilizada se o governo Lula fizer aporte bilionário

Impasse com consórcio chinês ameaça recolocar Ponte Salvador-Itaparica em estágio de hibernação

Foto: Reprodução

Por: Jairo Costa Jr. no dia 26 de março de 2024 às 06:00

Atualizado: no dia 27 de março de 2024 às 17:41

Embora o Palácio de Ondina mantenha a promessa de alavancar a Ponte Salvador-Itaparica ano que vem, o impasse entre o consórcio chinês e o governo do estado em torno de um acréscimo bilionário ao contrato de concessão ameaça colocar o projeto mais uma vez em processo de hibernação. Em conversas reservadas com a Metropolítica, integrantes do alto escalão do governador Jerônimo Rodrigues (PT) afirmam que os chineses que venceram a licitação da ponte mantiveram a exigência de só começar a construir o equipamento após a assinatura do termo aditivo que eleva para R$ 12 bilhões o orçamento da obra, originalmente orçada em cerca de R$ 6 bilhões. Alegam que os custos com insumos da construção civil tiveram saltos expressivos nos últimos anos. Sobretudo, aço, cimento e concreto.

Realidade e expectativa
Segundo apurou a coluna, a ponte virou motivo de divisão no núcleo-duro do secretariado de Jerônimo. Quadros mais técnicos mostraram de forma detalhada ao governador que o estado não possui caixa suficiente para bancar a contrapartida exigida pelo consórcio e que a única forma de viabilizar o projeto seria pela decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de incluí-lo na agenda de prioridades imediatas. Já a ala política do governo bate pé-firme para que Jerônimo continue a sonhar com o apoio da União e empurre a promessa com a barriga.

Calma, Calabreso!
Ainda de acordo com a mesmas fontes, o governador tem se mostrado sensato e ouvido bastante a área financeira, incluindo especialistas da Secretaria Executiva de Parcerias Público-Privadas, mas sofre pressão enorme da corrente política da administração estadual. Em movimento simultâneo, a concessionária da ponte ouviu os apelos do governo federal para que iniciasse ao menos as sondagens, mas sinalizou que daí para frente será difícil aportar investimentos próprios na obra.    

Boca de espera
Até agora, o líder da bancada governista na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), deputado Rosemberg Pinto (PT), não encaminhou à Mesa Diretora da Casa a relação com os nomes da base aliada que vão compor o Conselho de Ética, instância responsável pela abertura de processo de cassação contra parlamentares por quebra de decoro. Somente a oposição apresentou a lista, e isso há aproximadamente duas semanas. Nos gabinetes da Alba, o comentário é o de que nenhum governista está disposto a meter a mão na cumbuca envolvendo o deputado Binho Galinha (PRD), acusado pelo Ministério Público do Estado de comandar uma milícia e o jogo do bicho na região de Feira de Santana. Sem que o conselho esteja instalado, fruto da ausência dos membros da maioria, Binho Galinha não tem com o que se preocupar. Em relação ao mandato, óbvio. 

Verde...
Criticado pela tentativa de leiloar áreas verdes públicas em Salvador e diante da ausência de resultados da Secretaria de Sustentabilidade, Resiliência, Bem-Estar e Proteção Animal (Secis) nos últimos anos, o prefeito Bruno Reis (União Brasil) precisou recorrer ao legado do antigo ocupante da pasta, o vereador André Fraga (PV), para se contrapor à polêmica. Em discursos feitos por ele mesmo e conteúdos enviados pela assessoria de comunicação da prefeitura, Bruno Reis se concentrou basicamente em projetos bem-sucedidos nos oito anos em que Fraga comandou a Secis, ao longo da gestão de ACM Neto. 

...Desbotado
Entre os quais, as Hortas Urbanas, o maciço plantio de dezenas de milhares de mudas de árvores, a requalificação de parques urbanos, a realização da Semana do Clima da ONU (Climate Week) e ações que renderam prêmios internacionais em sustentabilidade. Desde que caiu nas mãos da vereadora Marcelle de Moraes (União Brasil) - que junto com o irmão, o ex-deputado Marcell Moraes, lidera o bloco da defesa animal na política baiana -, a Secis surfa no passado.

Só love!
Os deputados federais Elmar Nascimento (União Brasil) e Félix Mendonça Júnior (PDT) têm sido visos com frequência cada vez maior em Brasília e no interior da Bahia. Ambos pareciam amigos de infância na sexta-feira passada (22), durante o ato de filiação da prefeita de Morro do Chapéu, Juliana Araújo, ao PDT. Com direito a declarações públicas de afeto e admiração de um para o outro. No encontro, Elmar deixou escapar a razão da proximidade em conversas de bastidor na solenidade. Em suma, contou que Félix Júnior foi um dos primeiros a incentivar sua candidatura a presidente da Câmara dos Deputados, ao mesmo tempo em que articula o voto em peso da bancada do PDT para ele. 

Paranoia delirante
Ao que parece, o suposto plano de fuga do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para a Embaixada da Hungria em Brasília, revelada na segunda-feira (25) pelo jornal The New York Times, foi impulsionado por aquilo que notabilizou a gestão passada: os efeitos de artilharia virtual em posts e cards feitos para apavorar adversários com o medo de que a qualquer hora a Polícia Federal (PF) pudesse bater na porta de um deles. Fontes da coluna que monitoram o comportamento das redes sociais detectaram a coincidência de datas entre os dois pernoites do ex-presidente na embaixada e a enxurrada de material no estilo "toc, toc!" que dominou a arena digital dias após a PF ter confiscado o passaporte de Bolsonaro e levado dois de seus auxiliares para o xilindró, em 8 de fevereiro deste ano.