Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 19 de julho de 2024

Home

/

Notícias

/

Metropolítica

/

Em Salvador, guardas municipais são proibidos de usar brincos, colares, pulseiras e até cabelos soltos

Metropolítica

Por Jairo Costa Júnior

Notícias exclusivas sobre política e os bastidores do poder

Em Salvador, guardas municipais são proibidos de usar brincos, colares, pulseiras e até cabelos soltos

Veto foi imposto por meio de portaria que instituiu novo código de vestimenta para agentes do órgão

Em Salvador, guardas municipais são proibidos de usar brincos, colares, pulseiras e até cabelos soltos

Por: Jairo Costa Jr. no dia 06 de julho de 2024 às 10:10

A Guarda Municipal tem natureza civil, mas adotou um código de vestimenta tão rígido quanto o da Polícia Militar e das Forças Armadas. De acordo com portaria distribuída na sexta-feira (05) aos cerca de 1,3 mil agentes da corporação, os guardas do sexo masculino estão proibidos de usar brincos, correntes ou gargantilhas à mostra quando fardados. Para as mulheres, as normas têm rigor ainda maior. A partir de agora, todas deverão utilizar os cabelos presos, em "padrão coque", conforme estabelecido pelas novas regras, e só poderão amarrá-los com redes e prendedores na cor preta ou no tom dos próprios cabelos. Também não poderão utilizar adereços que se destaquem na farda. Entre os quais, pulseiras, colares e brincos ou argolas que ultrapassem o lóbulo da orelha.

Parece, mas não é
Segundo lideranças sindicais da Guarda Municipal, o comandante do órgão, Marcelo Silva, justificou o estilo linha-dura do fardamento à necessidade de passar a imagem de sobriedade que a função exige e padronizar a forma de apresentação pública dos agentes. Curiosamente, Silva não tem trajetória profissional ligada às forças militares. Servidor de carreira da corporação desde 2008, é formado em Educação Física, pós-graduado em Exercícios Aplicados à Reabilitação Cardíaca e Grupos Especiais e bacharel em Direito pela Universidade Social da Bahia (Unisba).

Obedece quem tem juízo...
As exigências impostas pelo código de vestimenta da Guarda Municipal vão além das restrições a adereços na farda e no corpo de homens e mulheres em atividade. "A devida apresentação pessoal e o garbo são indicados também pelo devido polimento de peças metálicas e calçados, higiene pessoal e alinhamento das peças confeccionadas em tecido", destaca a portaria. No cargo desde março de 2022, Marcelo Silva tornou obrigatória ainda a utilização de bonés, boinas ou quepes no padrão determinado pelo comando para agentes fardados em ambientes abertos ou no interior das viaturas e vetou o uso de uniformes fora do serviço, salvo quando previamente autorizado pelo comando. Quem desobedecer as regras do dress code do órgão poderá responder a processo administrativo disciplinar.

Ação entre amigos
Embora o prefeito Bruno Reis (União Brasil) tenha alimentado suspense sobre o apoio de mais um partido na disputa pela reeleição, a bolsa de apostas formada por quadros influentes do Palácio Thomé de Souza gira em torno do Agir, sigla comandada na Bahia por Társsila Muniz, filha do deputado estadual Júnior Muniz (PT). Os prognósticos levam em conta os laços antigos de amizade entre Bruno e Muniz, mantidos mesmo após o ingresso do parlamentar no PT. Aliados do parlamentar garantem que não faltaria vontade a ele para colocar o Agir no colo do prefeito, mas a proximidade com o governador Jerônimo Rodrigues entra como fator contrário. Ainda assim, afirmam que a hipótese tem muitas chances de virar realidade.

É prata!
Único medalhista olímpico negro na história da natação brasileira, o baiano Edvaldo Valério, o Bala, ganhou um upgrade na prefeitura de Salvador. Com a saída do ex-vereador Felipe Lucas (PSDB) para concorrer a uma vaga na Câmara Municipal, formalizada na sexta-feira, Valério herdou a vaga do tucano na Diretoria de Esportes da Secretaria de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esporte e Lazer (Sempre), onde ocupava cargo de gerente.

Ciranda de coronéis
Na mesma dança de cadeiras efetivada por Bruno Reis no último dia permitido pela lei eleitoral para nomeações e exonerações, o coronel reformado da PM Humberto Sturaro Filho entregou a chefia da Prefeitura-Bairro do Centro Histórico e Comércio para concorrer a vereador da capital pelo PL. No seu lugar, entrou o também coronel reformado Sérgio Freire, oficial estrelado da PM, cujo currículo inclui o comando do Batalhão de Choque, Polícia Rodoviária Estadual, Companhia de Policiamento Especializado e Rondesp na Região Metropolitana de Salvador.

Ói eu aqui de novo!
O entra e sai no segundo e terceiro escalões da prefeitura abriu espaço para acomodar o ex-vereador, radialista e escritor Wanete Carvalho. Ele herdou a vaga do engenheiro Marcílio Bastos, ex-secretário municipal de Manutenção. Bastos, que também chefiou a Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador, foi exonerado para entrar no páreo pela Câmara de Vereadores e deixou para Carvalho o posto de diretor de Proteção Social Especial da Sempre.

No reino de Deus
Presidente do Republicanos na Bahia e bispo da Igreja Universal, o deputado federal Márcio Marinho assegurou a interlocutores que o partido elegerá ao menos quatro vereadores em Salvador, mas que na prática serão cinco. Para Marinho, Ireuda Silva, Luiz Carlos e Júlio Santos serão reeleitos com boa margem de votos. A quarta vaga será definida pelo duelo entre dois novatos na legenda, os vereadores Leandro Guerrilha (ex-PP) e Alfredo Mangueira (ex-MDB), e o empresário Kel Torres, tido na legenda como forte concorrente. No entanto, o cardeal do Republicanos tem certeza de que, na lista dos suplentes, o que obtiver a maior votação subirá de nível. Isso porque um dos eleitos, segundo ele, vai entrar no secretariado da prefeitura, caso Bruno Reis vença a corrida, e abrir espaço na Câmara para o primeiro da fila.

Triângulo amoroso
O governador Jerônimo Rodrigues melou a sextada da ex-secretária estadual de Educação Adélia Pinheiro, pré-candidata do PT a prefeita de Ilhéus. Durante a inauguração do novo terminal de passageiros do Aeroporto Jorge Amado, obra de R$ 62 milhões aguardada há anos pela população da cidade, Jerônimo frustrou as expectativas de quem esperava parcialidade dele a favor da petista, em detrimento do advogado Bento Lima (PSD), nome escolhido pelo prefeito do município, Mário Alexandre, o Marão. Em entrevista à imprensa local, o governador avisou que há dois candidatos da base aliada em Ilhéus e que o papel dele, enquanto líder, é abraçar ambos. De quebra, passeou com Bento e Marão a tiracolo, em meio a abraços, sorrisos e conversas ao pé do ouvido.