Quarta-feira, 29 de junho de 2022

Mundo

Social-democratas vencem na Alemanha, mas sucessão de Merkel segue indefinida

SPD, de Olaf Scholz (foto), ficou com 25,7% dos votos, enquanto a União, de Armin Laschet, obteve 24,1%

Social-democratas vencem na Alemanha, mas sucessão de Merkel segue indefinida

Foto: Reprodução/CNN Brasil

Por: Metro1 no dia 27 de setembro de 2021 às 11:58

Na eleição mais imprevisível e acirrada da história da Alemanha, o Partido Social-Democrata (SPD), de centro-esquerda, superou a União (CDU-CSU), de centro-direita. De acordo com os dados divulgados pela comissão eleitoral nesta segunda (27), o SPD, de Olaf Scholz, ficou com 25,7% dos votos, enquanto a União, de Armin Laschet, obteve 24,1%. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Foi o pior resultado já obtido na história pela dupla União, da primeira-ministra Angela Merkel, que em 2018 anunciou que não disputaria a reeleição.

O cenário não permite prever quem pode se tornar o sucessor de Merkel; indica apenas o início de complexas negociações —que podem levar semanas— para a formação de uma coalizão. Tanto o SPD quanto a CDU disseram após a divulgação de pesquisas de boca de urna que tentarão formar separadamente, até o Natal, uma coligação para governar o país.

Hoje, as duas legendas compõem a aliança que dá sustentação a Merkel; a primeira-ministra fica no cargo até a eleição de um novo premiê.

De acordo com os dados oficiais, os Verdes terminaram em terceiro lugar (com 14,8%), seguidos pelos liberais da FDP (11,5%), de direita, e, mais atrás, a ultradireitista AfD (10,3%) e os socialistas do partido A Esquerda (4,9%). Embora abaixo dos 5% necessários para integrar o Parlamento, a Esquerda elegeu três representantes diretos, o que lhe permite obter assentos.

A comissão eleitoral ainda deve divulgar resultados finais, em um prazo de três semanas, mas, nas últimas eleições, a diferença entre o boletim preliminar e o final tem ficado em redor de 0,02% dos votos.

Social-democratas vencem na Alemanha, mas sucessão de Merkel segue indefinida - Metro 1