Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Mundo

Bolsonaro diz que protestos no Chile são 'terrorismo'

Declarações foram dadas na noite de ontem (24) em Pequim, onde Bolsonaro se encontra com o presidente chinês, Xi Jinping hoje (25)

[Bolsonaro diz que protestos no Chile são 'terrorismo']
Foto : Isac Nóbrega/PR

Por Juliana Almirante no dia 25 de Outubro de 2019 ⋅ 12:40

O presidente Jair Bolsonaro Bolsonaro chamou de "atos terroristas" os protestos no Chile, que começaram na semana passada e já deixaram 19 mortos e 535 feridos.

As declarações foram dadas na noite de ontem (24) em Pequim, onde Bolsonaro se encontra com o presidente chinês, Xi Jinping hoje (25).

Ele ainda afirmou que as tropas brasileiras têm de estar preparadas para fazer a manutenção da lei e da ordem no Brasil. Dias antes, no Japão, o presidente já havia qualificado como "bárbaros" os ataques ao metrô de Santiago e a queima de ônibus.

"Praticamente todos os países da América do Sul tiveram problemas. O do Chile foi gravíssimo. Aquilo não é manifestação, nem reivindicação. Aquilo são atos terroristas. Tenho conversado com a Defesa nesse sentido. A tropa tem que estar preparada porque ao ser acionada por um dos três Poderes, de acordo com o artigo 142, estarmos em condição de fazer manutenção da lei e da ordem", declarou o presidente.

O artigo 142 da Constituição Federal prevê que as Forças Armadas destinam-se "à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem."

Bolsonaro ainda disse que tem "informes de possíveis reuniões de atos preparatórios para manifestações não legais", no entanto, não especificou quais são esses protestos, quem são os responsáveis e quando aconteceriam.

O presidente do Chile, Sebastian Piñera, mobilizou as Forças Armadas para reprimir as manifestações no país, o que não ocorria desde o final da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Notícias relacionadas