Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Em meio ao avanço da pandemia, Bolsonaro e filhos voltam a criticar medidas de isolamento 

Publicações em redes sociais vão na contramão das recomendações de especialistas

[Em meio ao avanço da pandemia, Bolsonaro e filhos voltam a criticar medidas de isolamento ]
Foto : Clauber Cleber Caetano/PR

Por Metro1 no dia 27 de Fevereiro de 2021 ⋅ 16:49

A família Bolsonaro voltou a criticar as medidas de isolamento social para enfrentamento da covid-19, em meio ao pior momento da pandemia no País e ao endurecimento de restrições por parte da maioria dos Estados para frear o contágio da doença. "O isolamento não adianta de nada e já sabemos o resultado!", escreveu o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na sua conta oficial do Facebook.

Todas as autoridades sanitárias do mundo recomendam medidas de distanciamento para reduzir o contágio pelo coronavírus. Os protocolos rigorosos de isolamento, como o lockdown adotado por diversos países europeus, levaram à redução de casos da doença em vários países, a exemplo do Reino Unido.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou, no entanto, que "lockdown só é eficaz para aglomerar". "Ainda não aprenderam com a redução de horário do comércio", escreveu no Twitter.

Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), vereador pelo Rio, também criticou o isolamento social. "Qualquer um que saia de casa, aglomere e não use máscara, sendo do lado de lá, está permitido, inclusive o discurso de acusar o outro daquele que faz com a maior cara lavada do mundo! A diferença é que as aglomerações são prudentes e sofisticadas e não para ouvir o povo!", afirmou no Twitter.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro republicou em rede social um trecho de vídeo de sua visita ao Ceará ontem. Nas imagens, há uma aglomeração de pessoas sem máscara em torno do presidente. "Os que me criticam, façam como eu: venham para o meio do povo. O que mais ouvi no meio deles foi: "EU QUERO TRABALHAR!", escreveu.

Notícias relacionadas