Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Sete em Ponto: 'É possível surgir um terceiro candidato', diz MK sobre eleições em 2022

O âncora da Rádio Metrópole comentou ainda decisão do ministro do Fachin, que anulou processos contra Lula relacionados à Operação Lava Jato

[Sete em Ponto: 'É possível surgir um terceiro candidato', diz MK sobre eleições em 2022]
Foto : Reprodução

Por Luciana Freire no dia 08 de Março de 2021 ⋅ 19:55

O ex-prefeito de Salvador, âncora da Rádio Metrópole, Mário Kertész, comentou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, que anulou processos contra Lula relacionados à Operação Lava Jato, e agora o ex-presidente volta a ser elegível.

"O ministro Fachin, em primeiro lugar, livrou Sergio Moro de ser declarado suspeito, e, em função disso, outros processos serem anulados. Eu acho bom isso de um lado, mas tem uma coisa por debaixo do pano que muita gente não está vendo, o objetivo não foi exatamente achar que Lula não é culpado, tanto que o processo vai começar a ser feito em no tribunal de Brasília e pode ainda ir para o Supremo se o Procurador-geral da República contestar. Em segundo lugar é uma coisa positiva ele te mostrado como a República de Curitiba foi avassaladoramente cruel com as empresas brasileiras", disse MK, ao Sete em Ponto.

Sobre as eleições de 2022, e o retorno da polarização Bolsonaro-Lula, Mário Kertész acredita na possibilidade de surgir um terceiro candidato: "Se ficar nessa polarização é possível surgir um terceiro candidato com condições de ganhar eleição. Agora isso tudo [a decisão de Fachin] está um reboliço porque vira matéria jornalística... Vamos ter calma, vamos ver o que que vai acontecer até o próximo ano", disse.

Na contramão do mundo, o Brasil vive o seu pior momento da pandemia do coronavírus. MK acredita que é necessário não desanimar com o cenário.

"A gente tem que manter a capacidade de luta, a lucidez, e a vontade de afastar a política ideológica de qualquer coisa referente a pandemia. Agora, Bolsonaro outro dia mudou o presidente da Petrobras, mas está tendo aumento de gasolina, aumento de tudo. Então eu acho que a gente tem que manter a capacidade de luta e clareza e parar com essa coisa do ódio se for possível", concluiu.

Notícias relacionadas