Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Campanha por 'atendimento precoce': AGU tem 72h para explicar verba a influenciadores

R$ 85,9 mil foram destinados ao cachê de 19 "famosos" contratados para divulgar a campanha em redes sociais

[Campanha por 'atendimento precoce': AGU tem 72h para explicar verba a influenciadores]
Foto : Reprodução

Por Metro1 no dia 07 de Abril de 2021 ⋅ 10:20

A Justiça Federal em São Paulo deu prazo de 72 horas para que a Advocacia-Geral da União (AGU), que representa o governo federal na Justiça, responda a uma Ação Civil Pública que pede a devolução dos recursos pagos em janeiro pela Secretaria de Comunicação (Secom) para que influenciadores fizessem publicações em redes sociais sobre o "atendimento precoce" contra a covid-19. A informação é do UOL.

A ação, protocolada pela educadora Luna Brandão, também pede ainda a proibição de novas campanhas do tipo e a retratação pública dos influenciadores.

De acordo com reportagem da Agência Pública, o dinheiro veio da campanha publicitária "Cuidados Precoces Covid-19", com verba de R$ 19,9 milhões. Desse montante, R$ 85,9 mil foram destinados ao cachê de 19 "famosos" contratados para divulgar a campanha em redes sociais. Entre eles, havia quatro influenciadores, que dividiram um total de R$ 23 mil para defender o "atendimento precoce".

Em decisão expedida na segunda-feira (5), a juíza Ana Lucia Petri Betto, da 6ª Vara Cível Federal de São Paulo, deu 72 horas para que a AGU se manifeste sobre o conteúdo da ação. Procurado pelo UOL, o órgão respondeu apenas que "a AGU ainda não foi citada".

Notícias relacionadas

[Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado]
Política

Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado

Por Augusto Romeo no dia 13 de Abril de 2021 ⋅ 08:40 em Política

Aliados do governo preparam ofensiva, e ala do STF tenta maioria para que comissão só precise ser instalada após fim da pandemia