Domingo, 17 de outubro de 2021

Política

CPI ouve Luciano Hang e advogada de médicos que denunciaram Prevent Senior

Depoimentos devem servir para aprofundar apurações sobre possível elo entre o governo e entes privados para promover tratamento sem eficácia contra a Covid

CPI ouve Luciano Hang e advogada de médicos que denunciaram Prevent Senior

Foto: Pedro França/Agência Senado

Por: Metro1 no dia 27 de setembro de 2021 às 09:10

A CPI da Covid ouvirá nesta terça-feira (28), a partir das 10h, a advogada Bruna Morato, representante dos médicos que trabalharam na Prevent Senior e elaboraram um dossiê entregue à comissão com diversas denúncias sobre o tratamento da empresa aos pacientes com coronavírus. Entre as principais ilegalidades relatadas estava a alteração de prontuários. Na quarta (29), deporá no colegiado o empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan e apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

As falas devem servir para aprofundar apurações sobre supostas irregularidades em unidades da operadora e possível elo entre o governo federal e entes privados para promover tratamento sem eficácia para Covid-19.

Nos últimos dias, a CPI tem se dedicado a mais uma linha de investigação: eles apuram, a partir do dossiê dos médicos, se a operadora usou indiscriminadamente em pacientes da rede remédios sem eficácia comprovada pela ciência, como a hidroxicloroquina. Eles ainda apuram se a Prevent Senior realizou experimentos com pacientes sem autorização das famílias e da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e se esses estudos teriam sido usados pelo Ministério da Saúde por meio do "gabinete paralelo”.

Na última quarta-feira (22), quando a CPI ouviu o diretor-executivo da operadora Pedro Benedito Batista Jr, senadores denunciaram que relatos e mensagens apresentados por médicos que trabalharam na empresa de saúde indicam que a Prevent Senior alterava atestados de óbitos para ocultar a morte de pacientes por covid-19. Eles também afirmaram que o dossiê apontava para indícios de que os médicos da rede seriam orientados a fraudar os prontuários, alterando a CID (Classificação Internacional de Doença) dos pacientes que deram entrada com covid-19 e colocando no lugar qualquer outra doença.

Em seu depoimento, Batista Jr. chegou a admitir alteração da CID em prontuários médicos, mas negou as acusações contidas no dossiê, que classiicou de “fraudulento”. Os senadores querem agora esclarecer os detalhes do documento junto a representante dos médicos e confrontar os dados.

CPI ouve Luciano Hang e advogada de médicos que denunciaram Prevent Senior - Metro 1