Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 12 de julho de 2024

Home

/

Notícias

/

Política

/

Valdemar Costa Neto é preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo

Política

Valdemar Costa Neto é preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo

Presidente do PL foi alvo de busca e apreensão em operação que investiga plano de um golpe de Estado no período das eleições de 2022.

Valdemar Costa Neto é preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por: Metro1 no dia 08 de fevereiro de 2024 às 13:07

O presidente do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, foi preso em flagrante na manhã desta quinta-feira (8) por posse ilegal de arma de fogo.

A prisão foi determinada durante buscas realizadas por policiais federais em um dos endereços de Valdemar Costa Neto, como parte de uma operação que investiga a tentativa de golpe de Estado e a abolição do Estado Democrático de Direito, na qual ele é um dos alvos.

A arma estava no nome do filho de Costa Neto e com documentação vencida. Na casa do dirigente, também foi apreendida uma pepita de ouro bruta que será encaminhada ao Instituto Nacional de Criminalística (INC) da Polícia Federal (PF) para ser periciada. Ainda não se sabe se o político seguirá preso ou se será liberado após prestar esclarecimentos.

No relatório que embasou a operação, a PF afirmou que o PL sofreu uma "instrumentalização" durante as eleições de 2022, a fim de financiar uma estrutura de apoio à invalidação da vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa presidencial, sendo Valdemar Costa Neto o "principal fiador" de questionamentos contra a lisura do processo eleitoral.

A operação deflagrada pela PF nesta quinta tem entre seus alvos o ex-presidente Jair Bolsonaro, ex-ministros e militares. Ao todo, foram cumpridos 33 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva. Bolsonaro teve seu passaporte retido, o que o impede de deixar o país, e ficou proibido de se comunicar com outros investigados, após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.