Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Segunda-feira, 15 de abril de 2024

Política

Bahia está fora do grupo de estados aliados a Lula que recebeu maiores somas de verbas extras para saúde

Maranhão, Rio Grande do Norte e Pará lideram lista de repasses em 2023

Bahia está fora do grupo de estados aliados a Lula que recebeu maiores somas de verbas extras para saúde

Por: Jairo Costa Jr. no dia 20 de fevereiro de 2024 às 11:06

A Bahia ficou fora da lista dos estados e municípios governados pelo PT ou por partidos aliados que receberam altas fatias do bolo de R$ 1,37 bilhão em verbas extras distribuídas pelo Ministério da Saúde em 2023 e destinadas a financiar ações das chamadas média e alta complexidades.

Levantamento publicado nesta terça-feira (20) pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que nem o governo Jerônimo Rodrigues (PT) e nem prefeituras das maiores cidades baianas administradas por integrantes da base aliada estão na grupo de mais de 60 secretarias de saúde beneficiadas pelos repasses de maior soma.

Por estados, Maranhão (R$ 121 milhões), Rio Grande do Norte (R$ 105 milhões), Pará (R$ 90 milhões) lideram a fila. Os três são governados, respectivamente, por carlos Brandão (PSB), Fátima Bezerra (PT) e Helder Barbalho (MDB), todos eles aliados leais ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

São Paulo, comandada pelo bolsonarista Tarcísio Gomes de Freitas (PL), aparece bem abaixo dos demais, com aporte de R$ 50 milhões. A Bahia, embora seja o quarto estado mais populoso do país, não aparece na relação dos maiores repasses.

Cidades como Rio de Janeiro e Cabo Frio (RJ), Diadema, Mauá, Araraquara e Hortolândia, todas em São Paulo, somaram parcelas entre R$ 42 milhões e R$ 360 milhões em verbas extras. O valor não inclui emendas parlamentares, investimentos no Samu e recursos negociados diretamente com o Congresso Nacional.

Ao todo, o ministério o ministério repassou mais de R$ 70 bilhões a estados e municípios para custear investimentos e bancar ações em hospitais e ambulatórios ao longo do ano passado.

Em nota de esclarecimento à imprensa, a pasta negou direcionamento de recursos de maior volume para beneficiar aliados políticos do governo e garantiu que os repasses obedeceram exclusivamente critério técnicos.

Afirmou ainda ter incorporado aproximadamente R$ 8 bilhões aos repasses previsamente estabelecidos para financiar ações de média e alta complexidades MAC, contemplando "mais de 2,9 mil municípios brasileiros e 4,4 mil estabelecimentos de saúde em todo Brasil".