Política

Presidente do Conselho de Ética diz ter "vergonha" de ter Cunha presidente

O Conselho de Ética se reuniu novamente nesta quarta-feira (30) em mais uma sessão para discutir sobre o processo contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por quebra de decoro parlamentar. Na última terça, a mesa diretora da Casa, presidida por Cunha, apresentou um projeto que pode alterar a composição do Conselho, o que deixou irritado o presidente da comissão, José Carlos Araújo (PR-BA). [Leia mais...]

[Presidente do Conselho de Ética diz ter
Foto : Zeca Ribeiro/Agência Câmara

Por Matheus Simoni no dia 30 de Março de 2016 ⋅ 15:42

O Conselho de Ética se reuniu novamente nesta quarta-feira (30) em mais uma sessão para discutir sobre o processo contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por quebra de decoro parlamentar.

Na última terça, a mesa diretora da Casa, presidida por Cunha, apresentou um projeto que pode alterar a composição do Conselho, o que deixou irritado o presidente da comissão, José Carlos Araújo (PR-BA). Ele disse ter ficado impressionado como as coisas são feitas de forma "sorrateira" na Câmara, "que não é digna do homem que dirige esta Casa".

Cunha é acusado no conselho de ter mentido quando disse à CPI da Petrobras, em março de 2015, ao dizer que não tinha contas secretas no exterior. O conselho apura se ele cometeu quebra de decoro parlamentar, o que pode resultar até em cassação. Cunha nega ter mentido, e diz ser ter usufruto das contas no exterior. Araújo ainda afirmou estar envergonhado em ter Eduardo Cunha como presidente da Câmara.

"Advogar em causa própria, tentar de uma forma rasteira se prevalecer do cargo que ocupa para se proteger, isso não é digno de um presidente desta casa", afirmou o parlamentar.

 

Notícias relacionadas

[Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos]
Política

Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Setembro de 2019 ⋅ 10:40 em Política

Nova provocação entre os potenciais adversários nas eleições presidenciais de 2022 acontece em meio ao anúncio de investimentos da montadora Toyota em São Paulo