Política

Senadora pede investigação sobre denúncia de jovem contra Feliciano por assédio

A procuradora da Mulher no Senado, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), entrou com pedido de investigação no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) do caso em que uma jovem militante do PSC acusa o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) de tentar estuprá-la em um apartamento em Brasília. Segundo a senadora, o episódio envolve um parlamentar "tido como zelador de direitos e garantias fundamentais". [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Abr

Por Matheus Simoni no dia 06 de Agosto de 2016 ⋅ 09:35

A procuradora da Mulher no Senado, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), entrou com pedido de investigação no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) do caso em que uma jovem militante do PSC acusa o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) de tentar estuprá-la em um apartamento em Brasília. Segundo a senadora, o episódio envolve um parlamentar "tido como zelador de direitos e garantias fundamentais".

"A denúncia é mais um caso de assédio sexual, praticado por figura tida como zelador de direitos e garantias fundamentais, mais uma demonstração do cenário machista que compõe nosso Parlamento e nossa sociedade. O grave relato de uma estudante que foi pressionada para sair de Brasília, a fim de evitar um escândalo, precisa ser investigado e a culpa atribuída ao autor do fato", diz o ofício encaminhado pela senadora ao procurador-geral de Justiça do MPDFT, Leonardo Bessa.

Na última quarta-feira (3), a estudante Patricia Lelis, de 22 anos, acusou o parlamentar de assédio sexual, agressão grave e tentativa de estupro. A jovem relatou o ocorrido e disse que quase chegou a ser violentada sexualmente. A estudante diz ser youtuber, cristã e frequentadora da mesma igreja de Feliciano. A ação teria ocorrido no dia 15 de junho, no apartamento funcional do parlamentar, em Brasília.

Ex-presidente da juventude do partido, Patricia afirma ter sido convocada ao local para uma suposta reunião. Ao chegar, no entanto, encontrou o deputado sozinho. "Ele me prometeu um cargo no PSC com salário de 15 000 reais se eu topasse ser sua amante", contou Patricia. "Eu neguei e ele ficou bravo. Tentou tirar minha roupa à força, me deu um soco na boca e um chute na perna", completou.

Na última sexta-feira (5), o chefe de gabinete de Feliciano, Talma Bauer, foi preso em São Paulo, no Centro da cidade, por ser suspeito suspeito de ter mantido a jovem em cárcere privado em um quarto de hotel na região. O caso está sendo investigado pelo delegado do 3° Distrito Policial, em Campos Elísios.

Notícias relacionadas

[Coaf: Cajado diz que votaria contra orientação do PP]
Política

Coaf: Cajado diz que votaria contra orientação do PP

Por Alexandre Galvão no dia 24 de Maio de 2019 ⋅ 15:20 em Política

Cajado chegou ao PP pouco antes da eleição do ano passado. Filiado desde sempre ao DEM, deixou a legenda após o prefeito de Salvador, ACM Neto, desistir de disputar o gov...