Política

Senado terá esquema especial de acesso em sessão de pronúncia do impeachment

A movimentação no Senado promete ser grande nesta semana com a sessão de pronúncia, que faz parte do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Brasil

Por Matheus Morais no dia 08 de Agosto de 2016 ⋅ 07:19

A movimentação no Senado promete ser grande nesta semana com a sessão de pronúncia, que faz parte do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Os debates sobre o assunto no plenário da Casa começarão terça-feira (9), mas a previsão é de que a votação aconteça somente quarta-feira (10), após cerca de 20 horas de sessão. No período, o Senado terá um esquema especial de acesso e funcionamento. A visitação à Casa estará suspensa e a permanência nas dependências será permitida apenas a servidores, à imprensa credenciada, a senadores, suplentes e ex-senadores. Até mesmo servidores da Câmara dos Deputados, que usualmente circulam no Senado, terão acesso bloqueado nos dois dias da sessão de pronúncia.

Já os salões Negro, Nobre e Azul, além do plenário, estarão isolados, com acesso controlado pela Polícia Legislativa. Um formulário foi enviado aos chefes de gabinete dos senadores para que eles fizessem o credenciamento dos assessores autorizados a entrar no plenário durante a sessão. Será concedida uma credencial para cada gabinete, assim como uma para cada liderança partidária e uma para cada bloco partidário.

A sessão de pronúncia deve começar às 9h e seguirá com intervalos de uma hora a cada quatro horas. A votação será nominal, pelo painel eletrônico do Senado, e a previsão é de que ela ocorra na madrugada ou manhã de quarta-feira. O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, presidirá os trabalhos.

Notícias relacionadas

[Coaf: Cajado diz que votaria contra orientação do PP]
Política

Coaf: Cajado diz que votaria contra orientação do PP

Por Alexandre Galvão no dia 24 de Maio de 2019 ⋅ 15:20 em Política

Cajado chegou ao PP pouco antes da eleição do ano passado. Filiado desde sempre ao DEM, deixou a legenda após o prefeito de Salvador, ACM Neto, desistir de disputar o gov...