Política

Lewandowski deixa presidência do STF nesta segunda após dois anos de gestão

O ministro Ricardo Lewandowski deixa a presidência do Supremo Tribunal Federal nesta segunda-feira (12) após o término do mandato de dois anos. A ministra Carmen Lúcia assume o posto. Lewandowski teve o final de sua gestão marcado pela coordenação da última etapa do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.[Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Antonio Cruz/ Agência Brasil

Por Luiza Leão no dia 11 de Setembro de 2016 ⋅ 08:54

O ministro Ricardo Lewandowski deixa a presidência do Supremo Tribunal Federal nesta segunda-feira (12) após o término do mandato de dois anos. A ministra Carmen Lúcia assume o posto. Lewandowski teve o final de sua gestão marcado pela coordenação da última etapa do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Apesar dos elogios para a condução equilibrada que manteve no plenário do Senado, o ministro foi protagonista da polêmica envolvendo o retorno de DIlma a assumir cargos públicos, através do fatiamento do processo, ainda que condenada pelo processo.

Constitucionalmente, o texto afirma que a condenação de um presidente por impeachment leva-o a perder o mandato com inabilitação para funções públicas durante oito anos. Ricardo Lewandowski atendeu a pedido de apoiadores da ex-presidente Dilma e realizou votações separadas. Rousseff foi destítuida do cargo de presidente com 61 votos favoráveis a sua saída e 20 contra, mas  por 42 votos a 36, o Senado decidiu não inabilitar a ex-presidente.

Após a decisão do ministro, sua atuação foi questionada em ações apresentadas no STF. Lewandowski também foi alvo de um pedido de impeachment articulado pelos senadores e rejeitado de imediato pelo presidente da Casa, Renan Calheiros, outro articulador do fatiamento.

Notícias relacionadas

[Ação do DEM no STF pode tirar o mandato de 27 deputados]
Política

Ação do DEM no STF pode tirar o mandato de 27 deputados

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Dezembro de 2018 ⋅ 08:00 em Política

Processo que questiona as novas regras para a divisão de cadeiras remanescentes tem o potencial de rachar o Centrão, segundo a Coluna do Estadão