Política

Temer diz que decisão de Teori de suspender Operação Métis foi "correta"

O presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta quinta-feira (27), ao ser questionado em entrevista coletiva à imprensa no Palácio do Planalto, que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki de suspender por meio de liminar a Operação Métis foi "processualmente correta". [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Valter Campanato/ Agência Brasil

Por Stephanie Suerdieck no dia 28 de Outubro de 2016 ⋅ 06:55

O presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta quinta-feira (27), ao ser questionado em entrevista coletiva à imprensa no Palácio do Planalto, que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki de suspender por meio de liminar a Operação Métis foi "processualmente correta". "Não entro no mérito da decisão, seria pretensão demais, não é? O que eu posso dizer é que, processualmente, foi uma medida correta", disse.

A operação foi deflagrada na semana passada pela Polícia Federal e levou à prisão quatro policiais legislativos suspeitos de fazer varreduras a fim de encontrar grampos na residência de parlamentares investigados pela PF, como na Operação Lava Jato. "Sou obediente ao que o Supremo decidir. É esta reverência que eu faço. Quando você tem uma decisão, você recorre à instância superior. Ou mantém ou modifica a decisão. E é isto que dá estabilidade para nossas instituições", acrescentou.

O presidente também afirmou que, no momento em que "tenhamos plena consciência" de que "devemos seguir o que a Constituição estabelece e o que as instituições estabelecem, nós teremos tranquilidade no país". O ministro Teori Zavascki tomou a decisão nesta quinta após analisar pedido do policial legislativo Antônio Tavares dos Santos Neto, preso e solto na última sexta (21), que requereu ao Supremo a anulação da Operação Métis.

 

Notícias relacionadas

['Bolsonaro atira pelas costas nos seus soldados', diz Bebianno]
Política

'Bolsonaro atira pelas costas nos seus soldados', diz Bebianno

Por Juliana Rodrigues no dia 19 de Agosto de 2019 ⋅ 12:20 em Política

Em entrevista ao Estadão, ex-ministro também disse acreditar que indicação de Eduardo Bolsonaro como embaixador serve para atender a um "capricho" do filho do presidente