Política

Moraes diz que vai atuar com "imparcialidade" no STF caso indicação se consolide

Nesta terça-feira (21), o ministro Alexandre de Moraes disse que vai atuar com "absoluta imparcialidade e independência" e sem "nenhuma vinculação político-partidária" na Corte, inclusive nos casos investigados pela Operação Lava Jato, caso a sua indicação para o Supremo Tribunal Federal (STF) seja aprovada pelo pelos senadores. [Leia mais...]

[Moraes diz que vai atuar com
Foto : Agência Brasil

Por Luiza Leão no dia 21 de Fevereiro de 2017 ⋅ 14:56

Nesta terça-feira (21), o ministro Alexandre de Moraes disse que vai atuar com "absoluta imparcialidade e independência" e sem "nenhuma vinculação político-partidária" na Corte, inclusive nos casos investigados pela Operação Lava Jato, caso a sua indicação para o Supremo Tribunal Federal (STF) seja aprovada pelo pelos senadores. A afirmação foi feita durante sabatina realizada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Na ocasião, Moraes negou já ter sido advogado da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e disse ainda que não plagiou a obra de um jurista espanhol. As duas acusações foram classificadas por ele como calúnias e injúrias.

"Jamais fui advogado do PCC e de ninguém ligado ao PCC", garantiu o ministro. Segundo Alexandre de Moraes, o escritório onde era sócio-administrador tinha vários clientes, entre eles, uma cooperativa que, em 2014, emprestou uma garagem da sede pra uma reunião política e, dentre os participantes havia investigados por ligação com o crime organizado. Portanto, de acordo com Moraes essa repercussão aconteceu de maneira deturpada.

Sobre a acusação de plágio, de que um livro de direito publicado por ele reproduz, sem citar a fonte, trechos idênticos ao de uma obra do jurista espanhol Francisco Rubio Llorente, o ministro afirmou que é "absolutamente inverídica e falsa".

Notícias relacionadas

[PSL deve suspender Eduardo Bolsonaro por críticas ao partido]
Política

PSL deve suspender Eduardo Bolsonaro por críticas ao partido

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Outubro de 2019 ⋅ 09:00 em Política

“Precisamos salvar o Brasil dos filhos do presidente”, disse o deputado Júnior Bozzella (SP), que é um dos principais porta-vozes do presidente da sigla, Luciano Bivar