Política

'É mentirosa', alega Dilma sobre denúncia de que pediu dinheiro a Odebrecht

Por meio de nota, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou, nesta quinta-feira (2), que a denúncia de que ela teria pedido ao ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht recurso para suas campanhas presidenciais em 2010 e 2014 por meio de caixa 2 é mentirosa. [Leia mais...]

['É mentirosa', alega Dilma sobre denúncia de que pediu dinheiro a Odebrecht]
Foto : Divulgação/Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 02 de Março de 2017 ⋅ 14:31

Por meio de nota, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou, nesta quinta-feira (2), que a denúncia de que ela teria pedido ao ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht recurso para suas campanhas presidenciais em 2010 e 2014 por meio de caixa 2 é mentirosa. De acordo com a petista, é um "insulto à sua honestidade" a tentativa de "impor à ex-presidenta uma conduta suspeita ou lesiva à democracia ou ao processo eleitoral".

"É mentirosa a informação de que Dilma Rousseff teria pedido recursos ao senhor Marcelo Odebrecht ou a quaisquer empresários, ou mesmo autorizado pagamentos a prestadores de serviços fora do país, ou por meio de caixa dois, durante as campanhas presidenciais de 2010 e 2014", diz a nota

Ela concluiu dizendo que as doações para suas campanhas foram feitas dentro da legalidade eleitoral: "Todas as doações às campanhas de Dilma Rousseff foram feitas de acordo com a legislação, tendo as duas prestações de contas sido aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral".

Delação

Em depoimento à Justiça Eleitoral na última quarta-feira (1), o ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht afirmou que 4/5 dos recursos destinados pela empreiteira para a campanha da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer em 2014 tiveram como origem o caixa 2. 

Notícias relacionadas

[Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA]
Política

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA

Por Juliana Almirante no dia 23 de Outubro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

No entanto, o terceiro filho do presidente negou que a conquista da liderança do PSL na Câmara Federal tenha sido o fator determinante para a decisão