Política

"Se reforma for modesta, corte maior terá de ser feito no futuro", ameça Temer

Manifestações contra a reforma da Previdência tomaram as ruas do Brasil nesta quarta-feira (15) mas o presidente Michel Temer se mantém irredutível. De acordo com o peemedebista, uma reforma modesta hoje significa mais cortes no futuro. [Leia mais...]

[
Foto : Antônio Cruz / Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 15 de Março de 2017 ⋅ 18:51

Manifestações contra a reforma da Previdência tomaram as ruas do Brasil nesta quarta-feira (15) mas o presidente Michel Temer se mantém irredutível. De acordo com o peemedebista, uma reforma modesta hoje significa mais cortes no futuro. "Não podemos fazer coisa modestíssima agora, para daqui quatro ou cinco anos fazermos corte muito maior, como Portugal, Espanha e Grécia", alegou.

Temer afirmou ainda que o objetivo de medidas de ajuste fiscal como a reforma da Previdência é "prevenir o Brasil no futuro". "Não queremos que o Brasil, daqui sete ou oito anos, seja obrigado a fazer o que os Estados estão fazendo", disse, em referência a Estados como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, que enfrentam dificuldades.

O peemedebista salientou ainda que, sem uma reforma, o Brasil pode correr o risco de cortar salários de quem está na ativa e de aposentados, e eliminar o 13º salário ou de elevar a idade mínima para se aposentar. "Parece que será para tirar direitos, mas não tira direito de ninguém, quem tem direito adquirido não vai perder", argumentou. Ele afirmou ainda que s medidas de ajuste fiscal do seu governo, como a PEC do teto dos gastos, têm dando "rumo às contas públicas".

Notícias relacionadas