Política

Delatores da JBS pedem desculpas: \"O que nós falamos não é verdade\"

Os delatores da JBS Joesley Batista e Ricardo Saud divulgaram na noite desta terça-feira (5) uma nota negando terem provas contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), conforme sugerem em áudios entregues à Procuradoria da República (PGR). [Leia mais...]

[Delatores da JBS pedem desculpas: \
Foto : Rovena Rosa/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 05 de Setembro de 2017 ⋅ 19:46

Os delatores da JBS Joesley Batista e Ricardo Saud divulgaram na noite desta terça-feira (5) uma nota negando terem provas contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), conforme sugerem em áudios entregues à Procuradoria da República (PGR). Na última segunda-feira (4), em pronunciamento na sede do Ministério Público Federal (MPF), o procurador Rodrigo Janot disse que os investigadores obtiveram na última quinta-feira (31) os áudios, com conteúdo que ele classificou de \"gravíssimo\".

Na nota, os delatores negam que Janot e ministros do STF tenham cometido irregularidades e pedem desculpas.

Confira nota na íntegra:

A todos que tomaram conhecimento da nossa conversa, por meio de áudio por nós entregue à PGR, em cumprimento ao nosso acordo de colaboração, esclarecemos que as referências feitas por nós ao Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral da República e aos Excelentíssimos Senhores e Senhoras Ministros do Supremo Tribunal Federal não guardam nenhuma conexão com a verdade. Não temos conhecimento de nenhum ato ilícito cometido por nenhuma dessas autoridades. O que nós falamos não é verdade, pedimos as mais sinceras desculpas por este ato desrespeitoso e vergonhoso e reiteramos o nosso mais profundo respeito aos Ministros e Ministras do Supremo Tribunal Federal, ao Procurador-Geral da República e a todos os membros do Ministério Público.

Joesley Batista e Ricardo Saud

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo