Política

Senado pode revisar afastamento de Aécio Neves, admite Marco Aurélio

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, que foi vencido no julgamento que impôs o afastamento e o recolhimento domiciliar noturno do senador Aécio Neves (PSDB-MG), decisão tomada pela Primeira Turma do STF na última terça-feira (26), por 3 votos contra 2, disse que o Senado tem poder para rever a determinação. [Leia mais...]

[Senado pode revisar afastamento de Aécio Neves, admite Marco Aurélio]
Foto : José Cruz/EBC/FotosPúblicas

Por Laura Lorenzo no dia 27 de Setembro de 2017 ⋅ 15:22

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, que foi vencido no julgamento que impôs o afastamento e o recolhimento domiciliar noturno do senador Aécio Neves (PSDB-MG), decisão tomada pela Primeira Turma do STF na última terça-feira (26), por 3 votos contra 2, disse que o Senado tem poder para rever a determinação. De acordo com ele, o tucano deverá ser notificado ainda nesta semana sobre o afastamento do exercício do mandato.

No entendimento do ministro, a discussão não deveria ser feita no plenário do Supremo. \"Eu sustentei, sem incitar o Senado à rebeldia, na minha decisão, que, como o Senado pode rever uma prisão determinada pelo Supremo, ele pode rever uma medida acauteladora. Se ele pode o mais, que é rever até uma prisão, o que dirá a suspensão do exercício do mandato?\", disse Mello, nesta quarta-feira (27).

Mello acrescentou também que, a partir de agora, a análise de questões que eventualmente sejam feitas em relação à decisão caberá ao ministro Luís Roberto Barroso, que foi o autor do primeiro voto pelo afastamento de Aécio e virou o relator para o acórdão.

Notícias relacionadas

[Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal]
Política

Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal

Por João Brandão no dia 05 de Julho de 2020 ⋅ 16:01 em Política

Sócio majoritário Junior Durski, que já se declarou “100% Bolsonaro”, provocou polêmica no começo da pandemia ao dizer que o Brasil não deveria parar por “cinco ou sete m...