Política

Planalto decreta sigilo sobre agenda de visitas a Temer no Palácio do Jaburu

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República classificou como "reservadas" informações sobre o registro de entradas e saídas do Palácio do Jaburu. A informação foi revelada pelo jornal O Globo, que requisitou acesso a dados sobre os encontros mantidos pelo presidente Michel Temer com os empresários Marcelo Odebrecht e Joesley Batista. [Leia mais...]

[Planalto decreta sigilo sobre agenda de visitas a Temer no Palácio do Jaburu]
Foto : EBC/Agência Brasil

Por Matheus Simoni no dia 16 de Outubro de 2017 ⋅ 19:48

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República classificou como "reservadas" informações sobre o registro de entradas e saídas do Palácio do Jaburu. A informação foi revelada pelo jornal O Globo, que requisitou acesso a dados sobre os encontros mantidos pelo presidente Michel Temer com os empresários Marcelo Odebrecht e Joesley Batista. Segundo a publicação, desde maio as informação não estão sendo liberados pelo Planalto.

Durante a gestão da presidente Dilma Rousseff, o GSI forneceu informações semelhantes sobre encontros da presidente, mas a decisão não se repetiu sob o comando de Temer. O jornal relata ainda que, após uma série de recursos, em 30 de agosto os documentos foram classificados pelo GSI depois de a Controladoria-Geral da União (CGU) ter questionado a pasta sobre o tema.

De acordo com o gabinete, o acesso foi negado no mês de junho e afirmou na ocasião que "não divulga registros de entrada e saída aos Palácios do Jaburu e Alvorada por tratar-se de procedimentos operacionais, de acesso restrito a este Gabinete, que têm como objetivos viabilizar as agendas, oficiais ou privadas, do Presidente e do Vice-Presidente da República e atender necessidades relacionadas à administração, segurança e logística das residências oficiais".

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo