Política

Conselho de Ética da Câmara pode cassar mandato de Alberto Fraga por ʹfake newsʹ

O Conselho de Ética da Câmara instaurou hoje um processo disciplinar para avaliar a conduta do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que publicou uma fake news sobre a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no Rio de Janeiro em março. [Leia mais...]

[Conselho de Ética da Câmara pode cassar mandato de Alberto Fraga por ʹfake newsʹ]
Foto : Deputado Alberto Fraga | Thyago Marcel/Câmara dos Deputados

Por Marina Hortélio no dia 03 de Abril de 2018 ⋅ 20:21

O Conselho de Ética da Câmara instaurou hoje (3) um processo disciplinar para avaliar a conduta do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que publicou uma fake news sobre a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no Rio de Janeiro em março. Segundo o G1, a assessoria do parlamentar informou que ele não vai se manifestar.

A ação foi instaurada a partir de representação apresentada pelo PSOL no dia 21 de março, que pediu a cassação do mandato do democrata. A sigla também já havia entrado com um processo contra a desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Marília Castro Neves, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Os nomes de três deputados foram sorteados para assumir a relatoria do cargo: Adilton Sachetti (PRB-MT), Benjamin Maranhão (SD-PB) e Flavinho (PSC-SP). O presidente do conselho, Elmar Nascimento (DEM-BA), disse que vai fazer a escolha até amanhã (4).

Após a morte de Marielle Franco, o deputado postou no Twitter que a vereadora havia engravidado aos 16 anos, era ex-mulher de um traficante e que teria relação com o tráfico e o consumo de drogas. Apesar de Fraga ter apagado o perfil e a mensagem na rede social, o post continuou a circular em forma de prints.

Notícias relacionadas