Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Decreto proíbe manifestação política de militares

Para o professor da USP Dircêo Torrecillas Ramos, o general só não poderia se manifestar se fosse desautorizado pelo seu superior hierárquico, no caso, o presidente Michel Temer. O presidente não se manifestou a respeito das falas de Villas Bôas. [Leia mais...]

[Decreto proíbe manifestação política de militares ]
Foto : Marcelo Camargo/ABr

Por Alexandre Galvão no dia 05 de Abril de 2018 ⋅ 07:00

Assinado pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), um decreto proíbe militares de expressarem publicamente opinião política. De acordo com a Folha, qualquer manifestação pública, sem autorização, de um integrante da ativa sobre assuntos políticos pode ser considerada “trangressão disciplinar”.

No caso das declarações feitas pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, na última terça-feira (3), especialistas em direito militar consideram, no entanto, que não houve tal violação.

Para o professor da USP Dircêo Torrecillas Ramos, o general só não poderia se manifestar se fosse desautorizado pelo seu superior hierárquico, no caso, o presidente Michel Temer. O emedebista não se manifestou a respeito das falas do oficial.

O comandante afirmou em rede social que repudia “a impunidade” e que o Exército está “atento às suas missões institucionais”. As mensagens foram publicadas às vésperas do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula no STF.

Notícias relacionadas