Política

Lorena Brandão hesita sobre ser candidata em 2018: ʹNão garanto nadaʹ

Líder do PSC na câmara, a vereadora Lorena Brandão ainda não garante o seu futuro político, seja pela gama de convites para compor a chapa de José Ronaldo (DEM) na corrida pelo Palácio de Ondina, para disputar a Câmara Federal ou até o Senado — ou por falta de uma confirmação de Deus. [Leia mais...]

[Lorena Brandão hesita sobre ser candidata em 2018: ʹNão garanto nadaʹ]
Foto : Matheus Simoni/ Metropress

Por Luiza Leão no dia 17 de Abril de 2018 ⋅ 19:22

Líder do PSC na Câmara, a vereadora Lorena Brandão ainda não assegura o próprio futuro político, seja pela gama de convites que tem recebido: para compor a chapa de José Ronaldo (DEM) na corrida pelo Palácio de Ondina, para disputar a Assembleia Legislativa da Bahia ou até o Senado — ou por falta de uma "confirmação de Deus".

"Eu não garanto nada. Eu disse que vou continuar no meu mandato até Deus me dar uma direção. [...] O que está no meu coração é terminar esse mandato, fazer a campanha para o próximo de vereadora e depois procurar orar para alçar voos mais altos. Agora, em política, tudo pode mudar. Você pode estar parado e de repente...", declarou a pastora, em entrevista à Rádio Metrópole.

Inquieta, entre uma pergunta e outra Lorena Brandão ameaçou deixar a entrevista quando perguntada sobre as negociações da legenda após a dispersão provocada pela desistência de ACM Neto (DEM) para o governo do Estado. "Eu desligo o microfone, levanto e saio. Direito de ir e vir, né, gente? Sou livre!", declarou Brandão, aos risos.

Na sequência, entre olhadas no celular e sacudidas na cadeira, a vereadora pediu um apelo ao presidente do partido Heber Santana, mas acabou por responder que o PSC está aberto a conversas. "Tivemos uma última conversa com o PSDB e essas negociações estão caminhando. Eu não sei se é a preferência [por João Gualberto – PSDB]", tergiversou.

Apesar da insatisfação de alguns aliados sobre o momento em que o prefeito da capital escolheu para anunciar que não participaria do pleito em outubro, a vereadora negou chateação e demonstrou-se compreensiva, característica que atribuiu à atuação como pastora.

"Às vezes a gente tem decisões na nossa vida que fazem parte de uma escolha privada. Podia ter sido antes? É... podia ter sido antes... Eu não sei se eu estivesse no lugar dele eu teria feito antes. Porque a política é um jogo. É claro que a gente fica assim, ʹai, meu Deus, e agoraʹ? Todo mundo teve que refazer suas contas, seus planos, as conversas continuam", acrescentou.

"Fusível da Barra" – Apesar de afeita à atuação de Tânia Scofield na Fundação Gregório de Mattos, a edil criticou a base de vidro instalada sob o Cristo da Barra, embora tenha classificado "inovadora". "Eu gosto da base de pedra. Tem mais a cara de Jerusalém, eu cheguei a ir para Israel, que eu visitei todos os anos levando excursão com o meu pai", opinou a pastora.

Notícias relacionadas

[Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos]
Política

Doria diz que Bolsonaro precisa trabalhar mais e tuitar menos

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Setembro de 2019 ⋅ 10:40 em Política

Nova provocação entre os potenciais adversários nas eleições presidenciais de 2022 acontece em meio ao anúncio de investimentos da montadora Toyota em São Paulo