Política

Bruno Reis admite que crise do MDB motivou desistência de ACM Neto

Vice-prefeito reiterou a vontade de ser chefe do Palácio Thomé de Souza. “Quem tem 20 anos de vida pública não pode esconder esse desejo. Claro que eu tenho esse sonho. Mas daqui para 2020 [ano da eleição municipal] tem tanta água para passar debaixo dessa ponte”, ressaltou. [Leia mais...]

[ Bruno Reis admite que crise do MDB motivou desistência de ACM Neto ]
Foto : Tayane Rodrigues/Metropress

Por Luiza Leão no dia 26 de Abril de 2018 ⋅ 17:53

O vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), admitiu, na tarde de hoje (26), que a crise do MDB baiano foi um dos "fatores" para a decisão do prefeito ACM Neto (DEM) de desistir da candidatura ao governo da Bahia. O democrata assumiu, também, que tentou tirar do deputado federal Lúcio Vieira Lima o comando da sigla, com o apoio de parlamentares estaduais da legenda. 

“Eu tentei dentro do partido trazer uma reestruturação, uma renovação, uma reoxigenação desses quadros. Junto com deputados estaduais, que representam a nova geração do partido, a gente tentou assumir o comando do partido. Isso não ocorreu e foi isso que me fez mudar e imprimir um novo posicionamento ao partido”, afirmou, em entrevista à Rádio Metrópole.

A permanência de Lúcio no MDB é, segundo aliados, o principal motivo para o prefeito ACM Neto renunciar a candidatura ao Palácio de Ondina. "Foi um dos fatores. Como eu disse aqui anteriormente, o que ocorreu com o MDB desconstruiu a nossa equação política. O MDB era o maior partido da aliança. Tinha o maior tempo de televisão", ressaltou.

Bruno Reis reiterou a vontade de ser chefe do Palácio Thomé de Souza. “Quem tem 20 anos de vida pública não pode esconder esse desejo. Claro que eu tenho esse sonho. Mas daqui para 2020 [ano da eleição municipal] tem tanta água para passar debaixo dessa ponte...”, ponderou.

Notícias relacionadas

[Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA]
Política

Eduardo Bolsonaro desiste da embaixada nos EUA

Por Juliana Almirante no dia 23 de Outubro de 2019 ⋅ 07:40 em Política

No entanto, o terceiro filho do presidente negou que a conquista da liderança do PSL na Câmara Federal tenha sido o fator determinante para a decisão