METROPOLE

Quinta-feira, 13 de maio de 2021

Política

Intelectuais brasileiros ‘não sabem o que é ser de esquerda’, diz Joaci Góes

"[Há] professores acovardados, tendo que dizer '‘amém’' a posturas criminosas”, afirma escritor

Intelectuais brasileiros ‘não sabem o que é ser de esquerda’, diz Joaci Góes

Foto: Bárbara Silveira/Metropress

Por: Rodrigo Daniel Silva/Gabriel Nascimento no dia 27 de setembro de 2018 às 12:20

Ao condenar o “patrulhamento ideológico” nas universidades, o advogado e escritor Joaci Goés disse, em entrevista à Rádio Metrópole, que os intelectuais brasileiros “não sabem o que é ser de esquerda”. 

"[Há] professores acovardados, tendo que dizer '‘amém’' a posturas criminosas. Há um charme em dizer que é de esquerda. No debate que fiz na ABI, pedi para chamar os 10 dos melhores quadros da Ufba para mostrar que a maioria não sabe o que é ser de esquerda. Os intelectuais brasileiros não sabem o que é ser de esquerda. Pensam que achar que valorizar empresas estatais e ser contra privatização é uma atitude de esquerda. Não é, é de direita reacionária. Acham que Lula e Dilma são de esquerda. Meu Deus!", disse. 

Para o escritor, a “Era petista” foi marcada por atos “reacionários, antipovo”, que favoreceram grupos econômicos.

Autor do “Como Governar um Estado: O Caso da Bahia”, Joaci ressaltou a relevância dos investimentos na Educação para o desenvolvimento do estado.

“No caso da Bahia, eu diria, que a queda se deu na proporção em que os governantes perderam a perspectiva do significado de Educação. Tanto que hoje, desgraçadamente, [o estado] está em último lugar no ensino fundamental básico. O resultado é o estado mais violento do país. Essa infraestrutura emocional, social, educação, saúde e segurança pública vão de mal a pior. Quando o povo é educado, a saúde necessariamente passa a ir melhor”, pontuou.

Na avaliação dele, o Sindicato dos Professores da Bahia, a APLB, está entre os “mais atrasados”.  “Fazem do sindicato um instrumento de política partidária, não dá certo. Nunca deu em canto nenhum do mundo e não vai dar na Bahia”, pontuou, sobre o fato de a instituição ser comandada há décadas pelo PCdoB.

O advogado defendeu ainda a extinção da gratuidade, para quem pode pagar, na universidade pública. “A universidade brasileira, pela sua gratuidade, acabou beneficiando pessoas que tinham condições de pagar. Passou a funcionar como o mais poderoso instrumento de aprofundamento das desigualdades, porque só ficou acessível ao cidadão que tinha uma escola secundária de qualidade”, analisou.

TV METRO

Comentários

Luiz Felipe Pondé

Em 12 de maio de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Intelectuais brasileiros ‘não sabem o que é ser de esquerda’, diz Joaci Góes - Metro 1