Política

Colunista condena liberação de delação por Moro: ‘Não tem justificativa de urgência’

Em entrevista à Rádio Metrópole, Bruno Boghossian criticou o vazamento da colaboração de Antonio Palocci a seis dias da eleição

[Colunista condena liberação de delação por Moro: ‘Não tem justificativa de urgência’]
Foto : Reprodução / Twitter

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 02 de Outubro de 2018 ⋅ 11:56

O jornalista da Folha de S. Paulo, Bruno Boghossian, condenou a decisão do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo processo da Lava Jato na primeira instância, de liberar a delação do ex-ministro Antonio Palocci a seis dias das eleições.

Em entrevista à Rádio Metrópole, o colunista disse que o processo eleitoral está “passando pelas mãos de juízes e procuradores”, que tiveram um “protagonismo muito grande” a partir da operação.

“A decisão do juiz Sérgio Moro não tem justificativa de urgência para liberação desse depoimento. […] É bastante prejudicial ao processo eleitoral quando juízes, ministros do Supremo e procuradores agem olhando para o calendário eleitoral. Parecem que os juízes querem servir de mediadores do processo eleitoral”, afirmou.

No acordo de colaboração premiada, o ex-ministro revela esquema de desvios de dinheiro para as campanhas de Dilma Rousseff (PT). Além disso, declarou que o ex-presidente Lula (PT) sabia do esquema de corrupção na Petrobras desde 2007.

Boghossian também falou sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal de proibir Lula de conceder entrevista à Folha. Ele ressaltou que há precedentes na Justiça brasileira de condenados falarem com a imprensa.

"É um assunto polêmico. Partindo dos princípios e garantias mais básicas da liberdade de imprensa, não deveria se imaginar que seria um problema o ex-presidente Lula conceder entrevista", opinou.

Notícias relacionadas