Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Candidatos com registro rejeitado recebem 3,7 milhões de votos em todo o país

Mais de mil candidatos barrados pela Justiça Eleitoral apareceram na urna. Votos são considerados nulos, mas ficam 'congelados' à espera da aceitação ou rejeição de recursos

[Candidatos com registro rejeitado recebem 3,7 milhões de votos em todo o país]
Foto : Elza Fiúza/Agência Brasil

Por Metro1 no dia 09 de Outubro de 2018 ⋅ 12:20

Os candidatos com registro rejeitado pela Justiça Eleitoral mas que ainda têm recursos pendentes nos tribunais regionais eleitorais (TREs) e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tiveram juntos mais de 3 milhões e 700 mil votos na eleição de domingo.

Os votos estão "congelados" e são considerados "nulos ou "anulados" à espera de uma decisão final da Justiça Eleitoral. Se os recursos forem rejeitados e as candidaturas continuarem barradas, os votos serão anulados definitivamente. Se os candidatos obtiverem decisão favorável, os votos serão validados.

Os estados com mais candidatos indeferidos e que podem ter a votação anulada são São Paulo (961.660), Rio de Janeiro (488.200) e Paraná (379.542).

Foram 813.680 votos em candidatos a governador que estão com recurso negado, entre os quais o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, que tentava novamente disputar o governo do Rio mas foi barrado com base na Lei da Ficha Limpa. Garotinho recebeu 84.187 votos.

Os candidatos ao Senado com registro indeferido receberam 956.021 votos. Os que tentavam vagas para deputado federal, mas tiveram registro negado, receberam 1.015.894 votos. Os candidatos a deputado estadual barrados obtiveram 1.009.654 votos.

Notícias relacionadas

[Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro]
Política

Se Deus quiser vou continuar meu mandato, diz Bolsonaro

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:05 em Política

Em conversa com apoiadores, presidente ainda responsabilizou governo do Amazonas e prefeitura de Manaus pelo caos na saúde da capital: "Todo mundo me culpa. Tudo sou eu"