Política

Neto diz reconhecer ‘força’ do PSL, mas desconversa sobre secretaria: ‘Vamos ver aí’ 

Neto disse ainda que “há vantagem” de Bolsonaro na disputa com Fernando Haddad (PT), mas evitou dizer que a eleição está decidida

[Neto diz reconhecer ‘força’ do PSL, mas desconversa sobre secretaria: ‘Vamos ver aí’ ]
Foto : Divulgação

Por Alexandre Galvão / Rodrigo Daniel Silva no dia 26 de Outubro de 2018 ⋅ 10:58

Prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM) desconversou sobre a oferta de uma secretaria municipal para o marido da deputada federal eleita Professora Dayane Pimentel (PSL). A informação foi publicada ontem (25), com exclusividade, pelo Metro1

“Não sei. Vamos ver aí. Eu converso com todo mundo”, afirmou hoje (26). O presidente nacional do DEM disse ainda que é preciso “reconhecer” a importância do partido do deputado e candidato a presidente Jair Bolsonaro.

“Independente do resultado [de domingo], o PSL é importante no Brasil e tem identidade ideológica conosco. O PSL tem jeito novo de fazer política, não existe ‘toma-lá-dá-cá’, nasce com proposta de renovação. Já no primeiro desafio, elegeu uma deputada muito qualificada, Dayane Pimentel, jovem, de valor”, elogiou. Informações apontam que Alberto Pimentel, marido da parlamentar, vai ocupar o primeiro escalão do democrata. 

Neto disse ainda que “há vantagem” de Bolsonaro na disputa com Fernando Haddad (PT), mas evitou dizer que a eleição está decidida. “Eleição definida só depois dar urnas abertas. Tenho experiência para não cometer erros de outros. Tem gente que já sentou na cadeira e caiu, tem gente que já botou a faixa e tirou. Toda vantagem é de Bolsonaro, as pesquisas confirmam isso. Pelo sentimento que vejo, pelas conversas no Brasil, acho que ele será presidente”, apontou. 

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo