Política

No Japão, Bolsonaro encontrará primeiro-ministro Shinzo Abe e presidente da Ucrânia

Presidente deve desembarcar amanhã no país, acompanhado por seis ministros e cinco parlamentares

[No Japão, Bolsonaro encontrará primeiro-ministro Shinzo Abe e presidente da Ucrânia]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Outubro de 2019 ⋅ 07:13

Em viagem ao Japão, o presidente Jair Bolsonaro deverá fazer reuniões com o primeiro-ministro Shinzo Abe e com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, além de encontro com empresários locais e com a comunidade brasileira. A agenda foi divulgada ontem (19) pelo Palácio do Planalto. O presidente deixou o Palácio da Alvorada às 21h e se esquivou de comentar a crise na sua relação com o PSL.

A previsão é que Bolsonaro faça uma escala em Lisboa, em Portugal, e desembarque em Tóquio amanhã (21) para participar, no dia seguinte, da cerimônia de proclamação da entronização do imperador do Japão, Naruhito. 

O objetivo do governo com a viagem internacional, que terá 11 dias de duração, é atrair investimentos ao Brasil. Além de ir ao Japão, Bolsonaro passará pelos seguintes países:

  • China: de 24 a 26 de outubro
  • Emirados Árabes Unidos: de 26 a 28 de outubro
  • Arábia Saudita: de 28 a 30 de outubro

Bolsonaro será acompanhado pelos ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; da Casa Civil, Onyx Lorenzoni; da Agricultura, Tereza Cristina; da Cidadania, Osmar Terra; de Minas e Energia, Bento Albuquerque e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno. Também fazem parte da comitiva o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e os deputados federais David Soares (DEM-SP), Fausto Pinato (PP-SP), Hélio Lopes (PSL-RJ) e Marco Feliciano (Pode/SP).

Notícias relacionadas

[Evo Morales aceita asilo oferecido pelo México]
Política

Evo Morales aceita asilo oferecido pelo México

Por Metro1 no dia 11 de Novembro de 2019 ⋅ 19:29 em Política

O chanceler mexicano Marcelo Ebrard informou que o asilo foi concedido porque "sua vida e integridade correm riscos"