Política

Carballal entrega vice-liderança na Câmara de Salvador após Neto vetar seu projeto

À Metrópole, parlamentar afirmou que vai trabalhar para derrubar o veto

[Carballal entrega vice-liderança na Câmara de Salvador após Neto vetar seu projeto]
Foto : Antonio Queirós / CMS

Por Adelia Felix no dia 13 de Novembro de 2019 ⋅ 17:53

Vereador de Salvador, Henrique Carballal (PV) criticou em entrevista à Rádio Metrópole, nesta quarta-feira (13), o prefeito ACM Neto (DEM) por vetar o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal que proibia qualquer festividade carnavalesca na Quarta-feira de Cinzas. O texto foi de autoria do parlamentar.

“Foi uma decisão equivocada. Esse é um argumento que não funciona. Eu acho que a luta continua. Inclusive já tomei uma decisão, estou colocando meu cargo de vice-líder à disposição do prefeito. Repeito profundamente ele. Ajudei e continuarei ajudando sua gestão. Votarei sempre todos os projetos que enviar para Câmara. Mas nesse caso, especificamente, vou lutar para derrubar o veto”, disse durante o Jornal da Cidade.

Ainda na oportunidade, o vereador foi questionado se vai disputar as eleições em 2020 pelo PV. “É uma decisão do partido. Por enquanto só fico sabendo das coisas pela imprensa, quando a gente pergunta, o partido desmente. Óbvio que não vou disputar por um partido que não me quer”, avalia.

O vereador também foi indagado sobre o desentendimento o colega Duda Sanches (DEM). “Não teve desentendimento. Foi apenas uma discussão boba que teve na rede social por conta de disputa de espaço… Ele me chamar de preguiçoso? Sou professor de cursinho. Para mim aquilo ali é um processo passageiro. É difícil entender esse tipo de argumento. Mas um cara chamar um professor consagrado de preguiçoso é cometer o sacrilégio”.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo