Política

PEC Emergencial e MP do Trabalho Verde Amarelo sofrem alta rejeição

Repercussão negativa só é menor que a da proposta de alteração do Código Florestal, arquivada a pedido dos autores

[PEC Emergencial e MP do Trabalho Verde Amarelo sofrem alta rejeição]
Foto : Edilson Rodrigues/Agência Senado

Por Juliana Rodrigues no dia 22 de Novembro de 2019 ⋅ 12:00

Duas propostas do presidente Jair Bolsonaro estão entre as três mais rejeitadas nas consultas públicas online promovidas pelo site do Senado Federal neste ano, segundo levantamento da Folha. São elas: a PEC Emergencial e a MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo.

No caso da PEC Emergencial, que trata da redução dos gastos públicos, mexe com servidores, reduz benefícios tributários e afeta também as finanças de estados e municípios, já são mais de 85 mil votos contrários e pouco mais de 1.000 a favor em cerca de duas semanas de tramitação.

Já a MP do Contrato Verde e Amarelo, que estabelece diversas mudanças na legislação trabalhista, acumula em pouco mais de uma semana mais de 50 mil votos contrários e menos de 2.000 a favor.

A polêmica em torno do tema também pode ser vista no número de emendas apresentadas pelos parlamentares: até o momento, são 1.930 sugestões de alteração.

Em termos de rejeição, entre todas as propostas apresentadas em 2019, as duas só ficam atrás do projeto de lei dos senadores Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e Marcio Bittar (MDB-AC) que pretendia alterar o Código Florestal para reduzir as áreas de reserva legal. Foram 129.230 votos contrários e 3.724 a favor. O projeto acabou sendo arquivado, a pedido dos autores.

As três iniciativas receberam mais interações do que a reforma da Previdência, que teve 14,5 mil votos, a maioria (8.423) a favor.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo