Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Campanha de Bolsonaro teve 11 milhões de santinhos não declarados à Justiça Eleitoral

Documentos revelam que ao menos R$ 420 mil foram usados, sendo que parte desse dinheiro veio do fundo eleitoral do PSL

[Campanha de Bolsonaro teve 11 milhões de santinhos não declarados à Justiça Eleitoral]
Foto : Antonio Cruz/ Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 26 de Novembro de 2019 ⋅ 08:00

A análise de centenas de notas fiscais que fazem parte da prestação de contas eleitorais dos 27 diretórios estaduais do PSL mostra que a campanha de Jair Bolsonaro à Presidência em 2018 foi mais cara do que a declarada por ele à Justiça Eleitoral. Além disso, parte dos gastos foi financiada por dinheiro público, o que ele sempre negou ter usado.

De acordo com reportagem da Folha, os documentos revelam que ao menos R$ 420 mil foram usados para a confecção de 10,8 milhões de santinhos, adesivos, panfletos e outros materiais para a campanha de Bolsonaro, isoladamente ou em conjunto com outros candidatos do PSL. Parte desse dinheiro veio do fundo eleitoral.

Há a possibilidade de que o número seja maior, já que em alguns casos, as notas fiscais listam o material eleitoral produzido sem especificar quais candidatos foram beneficiados. Esses R$ 420 mil equivalem a 17% de tudo o que Bolsonaro declarou à Justiça como gasto de sua campanha, R$ 2,46 milhões.

Os diretórios estaduais não vincularam diretamente os gastos à campanha de Bolsonaro, nem o presidente declarou, em sua prestação de contas, o recebimento dos santinhos. Segundo resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o material deveria estar registrado na prestação de contas do presidente como doação recebida do respectivo PSL estadual, com o valor estimável em dinheiro.

Sem essa declaração, o gasto eleitoral que beneficiou o presidente aparece na prestação de contas eleitoral apenas como despesa do PSL com determinada gráfica, o que faz com que o custo da campanha de Bolsonaro pareça menor do que realmente foi.

Notícias relacionadas