Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Mais uma: Marcell se envolve em briga com vizinhos por causa de PM

Caso foi relatado ao Metro1 pelo síndico do condomínio

[Mais uma: Marcell se envolve em briga com vizinhos por causa de PM]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Metro1 no dia 27 de Novembro de 2019 ⋅ 16:32

Deputado estadual pelo PSDB baiano, Marcell Moraes se envolveu em uma nova polêmica. Desta vez, com moradores do condomínio onde mora com a suposta amante, Vanessa Pontes, no bairro de Armação, em Salvador.

Após a briga do parlamentar com o primo e assessor, Lucas Carvalho de Matos, foi determinado que todos os visitantes do deputado deveriam se identificar na portaria. No entanto, um suposto policial militar não queria ser identificado, na quinta-feira (21), gerando um grande mal estar no local. A informação foi confirmada ao Metro1 pelo síndico do prédio, William Marques.

“O cara chega aqui. Um ambiente de família. Ele deveria se colocar no lugar dele. Ele está doente. Eu disse para ele. ‘Fazer o que você está fazendo? Bagunçando?’ Uma assessora dele disse que ele está com medo de morrer. Mas isso não dá direto dele tocar o terror aqui dentro. Está andando agora com polícia. Aqui é um ambiente familiar”, disse o síndico.

Por causa do ocorrido com o primo – que acusa o parlamentar de agressão após um suposto ataque de ciúme, Marcell foi punido com uma multa no valor de R$ 6mil. Depois do episódio, segundo o sindicato, o tucano chegou a ameaçar um conselheiro da administração do condomínio e outros dois moradores.

Outro lado
A reportagem tentou contato com o parlamentar, que se defendeu em nota enviada através de sua assessoria. O deputado estadual declarou que "fez questão de gravar a situação justamente para que não houvesse outra versão dos fatos". De acordo com Marcell, o porteiro avisou que a ordem partiu do síndico do prédio, de que só entraria no edifício após conversar com ele. "As imagens falam por sí. Fui impedido de entrar enquanto não falasse com o síndico. A única coisa que fiz foi questionar meu direito de ir e vir", afirmou Marcell.

 

Notícias relacionadas