Política

Sociólogo critica papel das elites na crise e alerta: 'Está se colocando um golpe no Brasil'

Para Jessé Souza, movimento no país se assemelha ao que ocorreu na Bolívia: 'Plano de Bolsonaro é comprar as Forças Armadas'

[Sociólogo critica papel das elites na crise e alerta: 'Está se colocando um golpe no Brasil']
Foto : Gilberto Menegoli/Abrasco

Por Matheus Simoni no dia 15 de Maio de 2020 ⋅ 09:34

O sociólogo, professor universitário e pesquisador brasileiro Jessé Souza afirmou que o projeto autoritário do governo de Jair Bolsonaro tenta impor ao país um período ditatorial. Em entrevista a Mário Kertész na manhã de hoje (15), durante o Jornal da Bahia no Ar da Rádio Metrópole, ele declarou que os militares passaram a apoiar Bolsonaro em troca de benefícios. "O que está se colocando no Brasil agora é um golpe de estado parecido com o que foi feito na Bolívia, miliciano, evangélico e militar. Temos as Forças Armadas que foram desmoralizadas. O Exército brasileiro sempre foi uma instituição importante no Brasil, uma instituição democrática, muito mais do que as outras. Sempre acolheu pessoas do povo, negros e etc, muito mais abertas que Aeronáutica e Marinha. Já tivemos militares nacionalistas", declarou o sociólogo. 

"Mas temos agora um arremedo de Forças Armadas que entregaram o Brasil aos EUA. É um pessoal que está com saudade de mandar. Tem 3 mil pessoas que estão aproveitando dessa ocasião para desfrutar privilégios, privilégios que foram montados por Bolsonaro na reforma de previdência. O plano de Bolsonaro é comprar as Forças Armadas e ligar isso ao antigo projeto de Bolsonaro. Ele é o representante político das milícias", acrescentou. 

Jessé Souza ainda avaliou o posicionamento político de empresários em meio à crise do coronavírus. "Hoje em dia, o Brasil chegou ao ponto em que as pessoas todas assumiram posições e sabem que não podem ficar em cima do muro. Está ficando claro para todo mundo o que está acontecendo. A gente está vendo o embate da direita ainda democrática e extrema-direita golpista em embates entre Bolsonaro contra Doria, governadores, STF e uma parte considerável da imprensa, como a Rede Globo", afirmou , direcionando críticas aos membros das classes mais altas da sociedade.

"O problema disso tudo tem a ver com a nossa elite. A gente sabe muito bem que, se a elite quiser mandar os deputados dela, que pagaram a eleição e tem relações familiares, para votar contra Bolsonaro, o impeachment teria saído há muito tempo. A gente tem uma elite que não é só atrasada, é uma elite criminosa. Caras que já eram tidos como empresários esclarecidos, como Abílio Diniz, ex-dono do grupo Pão de Açúcar, que disse em uma entrevista à Revista Veja há duas semanas que estava tudo bem e o governo estava ótimo, Guedes fazendo um ótimo papel", disse. 

Desinformação

Jessé Souza ainda avaliou o papel da extrema-direita americana no projeto político de Bolsonaro. Influenciado pelo assessor político americano Steve Bannon, que foi estrategista da Casa Branca no governo de Donald Trump, o presidente brasileiro investiu nos discursos de ódio. "Bannon é um cara que está se aproveitando da miséria criada no mundo de hoje, no Brasil e nos EUA, que é incompreensível para o homem comum. Ela está sob a forma de títulos da vida pública e juros imbutidos em tudo oq ue a gente compra. As pessoas ficam mais pobres, perdem empregos, ficam miseráveis, ficam com raiva e ressentimento acumulado, mas não há uma explicação disso, porque a imprensa é toda dessa mesma elite e não vai explicar isso e agir contra si própria", apontou o pesquisador. 

"Você tem pessoas desinformadas que podem ser facilmente manipuladas e jogadas umas as outras. Tem uma enorme quantidade de raiva e ressentimento de países desindustrializados, como Brasil e EUA, perderam empregos e têm raiva, mas que não se compreende. Bannon percebeu isso. Numa hora dessa, os principais sentimentos dos homens são a raiva e o ressentimento. Como não se sabe quais são as causas reais, você pode manipular e criar uma guerra entre os pobres", disse.

"A campanha de Bolsonaro foi contra a corrupção e contra a criminalidade. Quem é o criminoso? É o pequeno traficante de drogas, o aviãozinho, o usuário que tem uma piaba de maconha no bolso. A gente sabe que se for negro, ele vai preso. Um terço das cadeias é desse tipo de crime. Um cara que rouba o país inteiro e uma elite que rouba o país inteiro, reduzindo a expectativa de vida, de esperança, tira educação e saúde de milhões, é considerado um homem de negócios. Ou seja, essa manipulação da noção de delinquência, como uma moça jogada na prostituição, são os delinquentes criados artificialmente, inclusive pela igreja evangélica", acrescentou.

Notícias relacionadas