Política

Governo admite que Weintraub pediu exoneração só após chegar aos EUA

"Retificação" da data de exoneração do ex-ministro foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, após suspeitas de que ele tenha usado os privilégios do cargo para sair do país

[Governo admite que Weintraub pediu exoneração só após chegar aos EUA]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 23 de Junho de 2020 ⋅ 12:42

Após publicar uma "retificação" no Diário Oficial da União para mudar a data de exoneração de Abraham Weintraub do Ministério da Educação, o governo admitiu que o pedido de demissão do então ministro só foi formalizado após ele deixar o País, no último sábado (20).

Em nota enviada ao jornal O Estado de S. Paulo, a Secretaria-Geral da Presidência afirma que foi o próprio Weintraub quem solicitou que o prazo da demissão fosse contado de forma retroativa. Na correção publicada hoje, a data da saída do cargo consta como sexta (19).

A suspeita é que Weintraub tenha usado a sua condição de ministro para desembarcar em Miami no sábado passado, driblando as restrições de viagens para brasileiros em razão da pandemia de covid-19. A exoneração do ministro, que é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), foi publicada em edição extraordinária do Diário Oficial, com a data de 20 de junho.    

"A carta em que o então ministro da Educação solicitou ao presidente da República a exoneração do cargo de ministro de Estado foi entregue ao Secretário-Geral no dia 20 de junho, sábado, que determinou a publicação em Diário Oficial da União extra", diz a nota da Secretaria-Geral. "A entrada oficial do documento na Secretaria-Geral da Presidência da República ocorreu no dia 22 de junho, segunda-feira. Entretanto, na carta, o então ministro da Educação solicitou exoneração do cargo a contar de 19 de junho de 2020, motivo pelo qual o ato foi retificado", segue o texto.

Notícias relacionadas