Política

Doria diz que não vai ceder à pressão de clubes para volta de público nos estádios de SP

Governador afirmou que conversa com CBF e FPF e não com times

[Doria diz que não vai ceder à pressão de clubes para volta de público nos estádios de SP]
Foto : Wilson Dias/Agência Brasil

Por Lara Curcino no dia 21 de Setembro de 2020 ⋅ 11:19

O governador de São Paulo, João Doria, disse hoje (21), em entrevista à Rádio Metrópole, que não vai ceder à pressão de nenhum clube para retorno de público nos estádios. 

“Aqui em São Paulo eu posso garantir: não há pressão. Nem política, nem econômica, nem futebolística. A prioridade é a vida dos brasileiros, sejam torcedores, atletas ou funcionários dos clubes. É preciso ter cuidado, não é com ameaças que vamos superar a pandemia”, declarou Doria.

A menção a “ameaças” faz referência à manifestação do presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, por meio do Twitter, a favor do direito de presença da torcida para todos os times da primeira divisão do Campeonato Brasileiro.

"O Corinthians só aceita a volta do público aos estádios se todos os times da Série A tiverem a mesma oportunidade, independente do estado ou cidade. Se não forem as mesmas condições pra todos não entraremos em campo", publicou Sanchez. 

A declaração ocorreu após a Prefeitura do Rio anunciar, na última sexta-feira (18), a volta da torcida no Maracanã, a partir do dia 4 de outubro, na partida do Flamengo contra o Athletico Paranaense, pelo Brasileirão.

De acordo com Doria, cabe ao comitê de saúde de SP avaliar a retomada das torcidas nos jogos. “Essa é uma decisão que tem que ser definida pelo comitê de saúde. Nós temos 20 membros nesse centro de contingência e são todos médicos epidemiologistas e infectologistas. Além disso, nossa relação com a Federação Paulista de Futebol é muito altiva, temos um diálogo fluido, assim como nosso contato com a CBF, que é bem construído. Nós falamos com estas instituições, não com os clubes”, afirmou ele. 

Notícias relacionadas