Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sábado, 20 de abril de 2024

Home

/

Notícias

/

Rádio Metropole

/

A dificuldade para lidar com pautas sensíveis o obriga a evitar várias delas, diz Janio de Freitas sobre Lula

Rádio Metropole

A dificuldade para lidar com pautas sensíveis o obriga a evitar várias delas, diz Janio de Freitas sobre Lula

A declaração foi feita pelo jornalista durante o programa Três Pontos desta sexta-feira (1°), na Rádio Metropole

A dificuldade para lidar com pautas sensíveis o obriga a evitar várias delas, diz Janio de Freitas sobre Lula

Foto: Metro1/YouTube/Reprodução

Por: Metro1 no dia 01 de março de 2024 às 16:34

Atualizado: no dia 01 de março de 2024 às 17:16

Durante o programa Três Pontos desta sexta-feira (1°), na Rádio Metropole, o jornalista Janio de Freitas disse entender o distanciamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de algumas pautas consideradas “mais sensíveis” como uma estratégia para evitar atritos com os quais o mandatário tem “dificuldade para lidar".

A declaração foi feita pelo jornalista enquanto ele analisava uma fala recente de Lula sobre os 60 anos do golpe de Estado no Brasil. Ao ser questionado sobre qual ação planejava realizar no 1° de abril deste 2024, data em que o golpe completará seis décadas, o presidente afirmou não ter vontade de “remoer” o evento histórico.

"Eu vejo a posição do Lula como algo extremamente delicado, não só em relação a isso, mas a posição do Lula em geral no exercício da Presidência da República. A dificuldade para lidar com o conjunto destes problemas o obriga a evitar vários deles, que podem resultar em atritos, em aprofundamentos, dificuldades e por aí fora”, iniciou Janio de Freitas.

“Compreendo a posição do Lula no caso, sei qual é a posição verdadeira dele, acho que todos sabemos qual é e podemos entender que ele tem dificuldade de exercer a posição pessoal quando está no exercício de uma atividade não-pessoal, que é a Presidência da República. Nós não vamos ‘remoer’ nada, nós vamos simplesmente lembrar, comentar e condenar o que quisermos, porque estamos no exercício da nossa liberdade de opinião, de pensamento, de análise e de pronunciamento”, acrescentou.

Confira o programa na íntegra: