Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Jacira ou Mirinha: quem foi a primeira Deusa do Ébano do Ilê?

Bloco afro pioneiro está na batalha para promover neste verão a 42ª Noite da Beleza Negra

[Jacira ou Mirinha: quem foi a primeira Deusa do Ébano do Ilê?]
Foto : Cena da 2ª Noite da Beleza Negra (1980), meramente ilustrativa / Divulgação

Por James Martins no dia 27 de Janeiro de 2021 ⋅ 09:21

Sugeri a Vovô do Ilê a reeleição automática da Deusa do Ébano esse ano, por causa da pandemia. De brincadeira, claro, embora Gleicy Ellen faça jus a vários universos só para ela. O fato é que a direção do bloco está se mexendo para realizar neste verão a 42ª Noite da Beleza Negra, ainda sem data marcada, observando todos os protocolos sanitários. O evento deve acontecer com transmissão online, como já virou costume. O breve papo, no entanto, me lembrou de uma treta envolvendo a origem das deusas, pois a primazia envolve duas mulheres: Jacira Bafafé e Mirinha.

Senta, Que Lá Vem a História

Nem sempre a Noite da Beleza Negra teve esse nome. O concurso de rainha do Carnaval realizado pelo Ilê Aiyê, a partir de 1975/76, foi batizado assim em 79 por Sérgio Roberto Santos, morador do Curuzu, ligado à fundação do bloco e uma das figuras mais elegantes e inteligentes da cidade. “Era um problema pra gente até mesmo achar uma gravura para os trabalhos escolares de Dia das Mães, pois eram todas brancas”, conta ele sobre a importância da festa para representatividade e reconhecimento da comunidade negra.

Hoje o evento é conhecido no mundo inteiro, copiado por outras agremiações, data marcada no verão soteropolitano, grandiosamente multimídia sob direção de Elísio Lopes Jr, etc etc etc.


Convite para a 3ª Noite da Beleza Negra, no Fantoches, 1982 (Acervo Sérgio Roberto)

Mas, afinal, quem foi a primeira Deusa do Ébano ou Rainha do Ilê? Oficialmente, o bloco registra Mirinha, que conheço desde que nasci (mãe de Maiquinho, Albertinho e Perinho) e que morava lá mesmo no terreiro Ilê Axé Jitolu. Jacira Bafafé, do Engenho Velho de Brotas, a primeira mulher a cantar (e ganhar!) num festival de bloco afro, porém, reivindica também esse título para si.


Jacira 'Bafafé' Sacramento (Reprodução Facebook)

Bom, todo mundo sabe que a música que lançou o Ilê Aiyê é de Paulinho Camafeu (“Que bloco é esse? Eu quero saber…”), mas a primeira música a vencer um concurso do bloco foi “Olorum Bafafé”, de Jorjão — hoje consagrado percussionista, figura fundamental também para os sambas juninos, chapa quente do Badauê, rebatizado Jorjão Bafafé graças ao sucesso da canção. Acontece que o compositor, naquele 1975, trabalhava embarcado e estaria em alto mar bem no dia do concurso. Assim, quem defendeu a música foi sua irmã Jacira. E não teve pra ninguém!

Segundo ela, sua participação no festival foi dupla: como intérprete e aspirante a rainha. E, como já dito, ganhou ambas. Dali Jacira despontaria para ser uma das Musas Badauê, tornando-se espécie de hors-concours em concursos de bloco afro. Essa versão está referendada, por exemplo, na dissertação de mestrado de José Francisco de Assis Santos Silva, "'Pra te lembrar do Badauê...' — O Mensageiro da Alegria em uma viagem pelos Lonãs Iyê (caminhos da memória) do mar azul - espaço, tempo e ancestralidade", de 2017, aprovada pela Universidade Federal da Bahia.


Mirinha, ao lado de Jéssica Nascimento, Deusa 2018 (André Seiti / divulgação) 

Já para o próprio Ilê Aiyê a história é outra. O concurso só teria iniciado em 1976, e vencido por Mirinha (Maria de Lourdes Cruz). No documentário “A Outra Face”, de Val Benvindo, é assim que o lance surge. “Dizem que eu sou a Deusa mais linda. Eu estava bem simples, mas talvez isso que chamou a atenção”, conta Mirinha, como pioneira, no filme, que é baseado no Trabalho de Conclusão do Curso de Jornalismo de Val, também pela Ufba.


Arte de J. Cunha para o Carnaval 94, 'Uma Nação Africana Chamada Bahia' (detalhe)  
     
E agora? Quem é a primeira Deusa do Ébano? Para evitar polêmica, talvez o título devesse ser dado a Mãe Hilda Jitolu, por sua primazia natural. E fim de papo. Ou então a Dete Lima, que faz a preparação das deusas desde o início e ainda hoje. Ou quem sabe Arany, por tudo o que representa. Seja como for, rainhas e deusas são todas elas, inclusive as que não venceram o concurso. E podemos até mesmo estender às que nunca o disputaram. Por isso, pela transformação que promove, que o Ilê Aiyê consiga realizar com sucesso mais uma Noite da Beleza Negra. Será, com certeza, mesmo com distanciamento e pandemia, “a mais odara desse verão”, como está no convite da segunda edição. "Um universo de beleza..."

Artigos relacionadas

[Bem-vindos a Sucupira]

Bem-vindos a Sucupira

Por Malu Fontes no dia 25 de Fevereiro de 2021 ⋅ 08:09

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[Da poesia concreta à urna eletrônica]

Da poesia concreta à urna eletrônica

Por James Martins no dia 18 de Fevereiro de 2021 ⋅ 13:05

Frases de efeito, à esquerda e à direita, não são apenas as que lacram nas redes sociais mas também, consequentemente, as que vencem eleições

[O segundo ano do resto de nossas vidas]

O segundo ano do resto de nossas vidas

Por Malu Fontes no dia 18 de Fevereiro de 2021 ⋅ 07:59

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[O ano em que um vírus proibiu o Carnaval]

O ano em que um vírus proibiu o Carnaval

Por Malu Fontes no dia 11 de Fevereiro de 2021 ⋅ 08:09

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[O BBB de Karol ConKkk]

O BBB de Karol ConKkk

Por James Martins no dia 04 de Fevereiro de 2021 ⋅ 08:30

A participação da cantora rende discussões sérias sobre xenofobia, racismo e, se vacilar, até veganismo digital... mas tudo não passa de televisão

[O custo Brasília e o leite condensado]

O custo Brasília e o leite condensado

Por Malu Fontes no dia 28 de Janeiro de 2021 ⋅ 08:20

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[Dupla Ba-Vi: Vai tomar no braço ou na bunda?]

Dupla Ba-Vi: Vai tomar no braço ou na bunda?

Por James Martins no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 15:24

A bola tá tão murcha que até as piadas, o glorioso ministério dos memes foi afetado e perdeu a graça. Rebaixaram o famoso “rir para não chorar” ao mero chorar as pitangas

[Uma nação à deriva ]

Uma nação à deriva 

Por Malu Fontes no dia 21 de Janeiro de 2021 ⋅ 10:49

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole

[Ford: nada está bom, nunca]

Ford: nada está bom, nunca

Por Malu Fontes no dia 14 de Janeiro de 2021 ⋅ 08:05

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas, professora da Facom/UFBA e colaboradora da Rádio Metrópole