Terça-feira, 26 de outubro de 2021

O banquete de Temer

O eleitorado que foi às ruas no sete de setembro pedir fechamento do Supremo não para de experimentar tonturas com a mudança de rota em Brasília. Foram dormir pedindo a cabeça careca de Moraes e acordaram com a notícia de um pedido de desculpas turvo, mas assinado pelo PR, como Bolsonaro é chamado por seus apoiadores

O banquete de Temer

Foto: Reprodução Jornal da Metropole

Por: Malu Fontes no dia 16 de setembro de 2021 às 17:34

As cenas dos salões paulistanos onde os poderes político e econômico se reuniram, em torno do ex-presidente Michel Temer, para compartilhar iguarias, vinhos, charutos e gargalhadas disparadas contra Jair Bolsonaro, todo mundo viu. O que ainda não veio à tona, o que talvez nunca virá, foi a reação da família Bolsonaro às cenas da risadaria dos convidados do especulador financeiro Naji Nahas para homenagear o pai de Michelzinho.

O presidente Bolsonaro viu a onda do tsunami sobre ele crescer e se aproximar tanto, de si e de sua prole, imediatamente após a ameaça atabalhoada de um golpe institucional, feita na carroceria de um carro de som e para um público estranhamente disposto a chutar a cabeça de ministros do Supremo Tribunal Federal, que não viu outra solução para apagar as labaredas: deu meia volta e correu para pedir socorro a Michel Temer. Não foi pouca coisa o que aconteceu entre as cenas do presidente, atrepado num caminhão de som ameaçando Alexandre de Moraes, e as cenas do convescote dos paulistas ricos, ao redor de boa mesa e bons vinhos, para rir da imitação humorística de Bolsonaro feita por André Marinho.

O conteúdo da imitação era uma hipotética conversa entre Bolsonaro e Temer, em que o presidente fazia considerações sobre a carta escrita pelo ex-presidente e assinada pelo atual botando panos quentes nos arroubos de autoritarismo contra o STF. Muito ainda será escrito e discutido sobre o intervalo entre o discurso do presidente, em São Paulo, no feriado de terça-feira, e a decisão de mandar um avião da FAB, a pedido da Presidência da República, para buscar na quinta-feira, em São Paulo, Temer e seu marqueteiro. 

Depois de uma reunião com pouquíssimos presentes, acompanhada em parte por um Carlos Bolsonaro em silêncio, Temer intermediou um telefonema de 15 minutos de Bolsonaro para o ministro Alexandre de Moraes e, logo após, convenceu o presidente a assinar uma carta já levada pronta, para “pacificar” as coisas entre Executivo, Legislativo e Judiciário. A crônica política garante que deu bastante trabalho convencer o ministro a atender Bolsonaro e conversar, mas Temer tem crédito. Foi ele quem indicou, quando presidente, Moraes para o Supremo. 

CLICHÊ E CARLUXO - Embora Temer já tenha telefonado para Bolsonaro na última terça para explicar o contexto da risadaria no jantar dos ricos paulistanos e garanta que o presidente entendeu tudo, do lado dos apoiadores que ainda não desembarcaram do bolsonarismo as coisas não têm sido bem recebidas. O eleitorado que foi às ruas no sete de setembro pedir fechamento do Supremo não para de experimentar tonturas com a mudança de rota em Brasília. Foram dormir pedindo a cabeça careca de Moraes e acordaram com a notícia de um pedido de desculpas turvo, mas assinado pelo PR, como Bolsonaro é chamado por seus apoiadores.  

Se a chamada e chegada de Temer ao Planalto em avião militar e sua elevação à condição de bombeiro da República já havia chocado os bolsonaristas, a revolta ganhou corpo com o vídeo das gargalhadas no jantar. Aliás, esquerda e direita manifestaram furor com as imagens da mesa de Nahas. Para a esquerda, estavam rindo da cara dos brasileiros. Para os apoiadores do presidente, o objeto de escárnio era o próprio. Para Temer, que jura ter convencido Bolsonaro disso, era apenas um jantar de amigos em que um humorista, filho de um deles, o empresário Paulo Marinho, um dos responsáveis pela eleição do capitão em 2018 e hoje inimigo ferrenho, fez o que faz na vida: humor. E o clichê de sempre. O vídeo da imitação do presidente foi tirado de contexto. Esperemos a próxima treta. E antes, o vazamento da reação de Carluxo a isso tudo. 

O banquete de Temer - Metro 1